Na TV, Weslian Roriz acusa Agnelo Queiroz de se beneficiar de esquema de corrupção

Segundo denúncia, ONG simulava gastar a maior parte da verba que recebia, mas o grosso do dinheiro iria para os participantes do esquema

Estadão.com.br,

22 de outubro de 2010 | 22h15

A campanha no Distrito Federal ganhou ontem um capítulo dramático, com um depoimento que mistura acusações de corrupção e emoção. Levado ao ar no programa da candidata Weslian Roriz (PSC), Michel Vieira da Silva acusou o candidato Agnelo Queiroz (PT), líder nas pesquisas, de ser beneficiário de um esquema de corrupção no Ministério dos Esportes, pasta já comandada pelo petista.

 

Dizendo-se ameaçado e longe da família, Michel repetiu, às vezes aos prantos, o refrão: "me matem". Segundo ele, seria esta a solução para seus infortúnios e ameaças. Michael estava sob a custódia no Programa de Proteção a Testemunhas desde que denunciou o caso, mas reapareceu nesse segundo turno.

 

Ex-funcionário do Instituto Novo Horizonte, ONG que deveria oferecer cursos de treinamento a crianças pobres, Michel relatou que a entidade foi usada para extrair dinheiro do ministério. Segundo ele, a ONG simulava gastar a maior parte da verba que recebia, mas o grosso do dinheiro iria para os participantes do esquema.

 

Em junho de 2006, três meses depois de Agnelo deixar o cargo, a ONG faturou um convênio de 1,6 milhão de reais com o Ministério do Esporte. Em um dos trechos mais graves, Michel afirma que um dos depósitos, no valor de R$ 150 mil, teve como destinatário o ex-ministro. Agnelo sempre negou a história e dizia ser uma armação para prejudicá-lo politicamente.

 

O petista, segundo o Datafolha, abriu vantagem de 23 pontos sobre Weslian Roriz. Na sondagem feita ontem e anteontem, Agnelo tem 54% das intenções de voto, contra 31% de Roriz. Na semana passada, o petista aparecia com 53%, e sua adversária, com 35%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.