Na TV, Serra e Dilma repetem programa da tarde

Os candidatos à Presidência da República Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) repetiram nesta noite o programa exibido à tarde na propaganda do horário eleitoral gratuito na TV. Os dois exploraram a defesa de valores cristãos e familiares e o respeito à vida. O programa de Serra falou abertamente que o tucano é contra o aborto. Já o de Dilma limitou-se a dizer que a petista é favorável à vida.

ANNE WARTH, Agência Estado

08 de outubro de 2010 | 21h16

Dilma iniciou o programa com um discurso claramente direcionado aos eleitores religiosos. "Quero começar esse segundo turno agradecendo a Deus por me ter concedido uma dupla graça: ter sido a candidata mais votada no primeiro turno e ter a oportunidade agora de discutir melhor as minhas propostas e me tornar ainda mais conhecida", afirmou.

O programa de Serra comparou Dilma ao ex-presidente Fernando Collor de Melo, ao dizer que ambos não são conhecidos pelo povo brasileiro e exibiu imagens do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, até então praticamente ignorado pelo programa tucano. "Esse (Collor) foi o último presidente desconhecido que o Brasil elegeu. O estrago foi tão grande que precisou desse (Itamar Franco) para trazer a decência e desse (FHC) para controlar a inflação, modernizar o Brasil e criar os programas sociais. Depois veio esse (Lula), que também tinha história e deu continuidade. Agora, para o Brasil avançar, tem que ser alguém já testado, com ficha limpa e que já fez muito pelo Brasil", afirmou o narrador.

O programa de Dilma contra-atacou e sugeriu que os eleitores combatam a campanha negativa que tem circulado contra a petista na internet. "A internet é uma grande conquista moderna. Infelizmente, uma corrente do mal tem usado a rede para espalhar anonimamente mentiras contra Dilma. Não acredite neles, Dilma é uma mulher honesta que respeita a vida e as religiões", afirmou uma atriz escalada para defender Dilma das acusações que tem sofrido na internet.

Dilma manteve a linha dos programas da campanha no primeiro turno e explorou a parceria com o presidente Lula. "Estou sofrendo na pele uma das campanhas mais caluniosas que o Brasil já assistiu, mas, igual ao presidente Lula, que também foi vítima de calúnias, não me afastarei do rumo certo", disse Dilma. Serra disse que a petista não tem experiência administrativa e vive à sombra do presidente. "No segundo turno você vai poder comparar melhor os candidatos, a história de cada um, o que cada um já fez pelo Brasil, quem tem ideias próprias e quem fica à sombra dos outros", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.