Na TV, Serra defende valores e Dilma destaca diferenças

Nos 10 minutos reservados para cada candidato, o tucano enfatizou a honestidade e a petista, as distinções entre o atual governo e o de FHC

Daiene Cardoso, da Agência Estado

13 de outubro de 2010 | 14h31

SÃO PAULO - Os candidatos a presidente José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff apelaram nesta segunda-feira, 13, para a "honestidade" e comparações, respectivamente, na publicidade eleitoral gratuita da tarde na televisão. Nos dez minutos, Serra afirmou que 2010 é o ano em que os eleitores buscam valores e honestidade e que este é o momento em que o País pode "mudar para melhor". Já Dilma investiu em confrontações, distinguindo o Brasil governado pelos tucanos do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

 

O candidato do PSDB a presidente abriu a publicidade eleitoral com cenas de um parto, numa analogia ao País que "nasce a cada dia". "A vida é feita de escolhas", reforçou o locutor. Serra disse que a "voz da verdade" prevalecerá nesta eleição. "O povo vai exigir que os candidatos sejam verdadeiros", afirmou. "O povo espera que os candidatos mostrem seu caráter, sem disfarces, sem maquiagem", emendou.

 

 

Num breve resumo da trajetória política de Serra - de líder estudantil a governador de São Paulo -, o programa ressaltou que ele esteve ao lado do ex-presidente Tancredo Neves e da Constituição de 1988, "diferente do PT da Dilma". Serra ainda prometeu construir uma economia forte e uma nação sustentável, "pegar pesado contra a corrupção" e investir em saneamento básico.

 

 

"Viram, meus conterrâneos? Não deixem de votar neste homem", pediu o cantor e compositor e instrumentista pernambucano Dominguinhos, conterrâneo de Lula nascido em Garanhuns, no Planalto da Borborema (PE). A publicidade terminou citando denúncias do fim de semana, que apontam o Gu Zhou Ji, filho do médico acupunturista de Dilma, como funcionário da Coordenadoria de Saúde da Presidência da República. "Agora, até o rapaz da agulha. É o fim da picada", ironizou o narrador.

 

 

PT - O programa eleitoral gratuito do PT manteve o tom de embate das últimas inserções e começou acusando os tucanos de serem contra o Bolsa-Família e a favor das privatizações. "No nosso governo, 28 milhões de brasileiros saíram da miséria", comparou a candidata do PT a presidente. Dilma prometeu continuar "mudando" o País e disse que o foco do eventual mandato será erradicar a miséria.

 

 

Ela afirmou que, se eleita, investirá os recursos do pré-sal para lutar contra a pobreza e na educação, meio ambiente e novas tecnologias. Na lista de promessas, Dilma disse que pretende construir 2 milhões de moradias em quatro anos, investir em segurança pública e não privatizar estatais estratégicas. "Mais uma vez, o nosso caminho é totalmente outro", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.