Na TV, Serra cita combate à crise como trunfo de Lula

O presidenciável do PSDB, José Serra, admitiu ontem que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva - que tenta neste pleito eleger a petista Dilma Rousseff à sua sucessão - acertou no combate aos efeitos da crise econômica financeira global no País. A afirmação foi feita em entrevista exibida na noite de ontem ao programa CQC, da TV Bandeirantes.

CAROLINA FREITAS, Agência Estado

04 Maio 2010 | 11h03

Na entrevista ao quadro "O povo quer saber", em que populares fazem as perguntas, Serra reconheceu ainda o programa de transferência de renda Bolsa Família como mais um ponto positivo do governo Lula. E citou o "papel de comunicador" do petista como um trunfo. Os questionamentos feitos - 22 no total, em 4 minutos - foram desde assuntos políticos até detalhes da vida pessoal do pré-candidato.

Serra brincou com a pergunta de uma mulher: se ele continuaria a esconder o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na campanha eleitoral. "O CQC está aqui na minha casa. Se o Fernando Henrique estiver escondido aqui, eles podem encontrar. Podem percorrer toda a casa e olhar meus bolsos também se quiserem."

O tucano disse ainda que aceitará o apoio de parlamentares do PMDB, mas que não distribuirá, em troca, cargos em um eventual futuro mandato. "Não vamos fazer loteamento de cargos", afirmou. A executiva nacional do PMDB já declarou apoio à candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, mas diretórios estaduais do partido devem dar suporte a Serra.

O tucano posicionou-se contra a descriminalização do uso de drogas - ideia defendida por Fernando Henrique. "Acho que é uma estratégia que acabaria não dando certo", disse. Em poucas palavras, definiu sua opinião a respeito do aborto: "Eu acho uma coisa lamentável. Realmente muito triste."

Vida privada

Apesar de demonstrar desconforto com as perguntas sobre sua vida privada, Serra só deixou de responder a uma delas: se já teve uma relação extraconjugal. "Mas que pergunta, hein! Mas como você é xereta, hein!", retrucou. Até sobre a fama de vampiro - conquistada por conta de seus hábitos noturnos - o pré-candidato falou. "Eu aprecio muito pescoços de mulheres, mas não a ponto de morder para tirar sangue."

O tucano disse que, na intimidade, gosta de brincadeiras "pouco excêntricas" e afirmou que não se envolveria com nenhuma de suas adversárias, Dilma ou Marina Silva (PV). "Não pegaria nenhuma das duas, até porque eu sou casado. E, aliás, a Marina também é casada. Seria uma confusão muito grande." Dilma Rousseff é solteira.

Mais conteúdo sobre:
eleição PSDB José Serra entrevista CQC

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.