Na TV, Serra acusa PT de atacá-lo com 'mentiras'

O candidato do PSDB à sucessão presidencial, José Serra, acusou o PT de atacá-lo com "um montão de mentiras" e de inventar informações para confundir o eleitor. No horário eleitoral gratuito da TV na tarde de hoje, o tucano defendeu-se das afirmações veiculadas ontem pelo programa do PT, no qual a candidata Dilma Rousseff disse que o PSDB só pensa em "vender o patrimônio público", referindo-se à sigla como "turma do contra".

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

15 de outubro de 2010 | 16h43

"A campanha do PT está me atacando todo o tempo com um montão de mentiras e informações falsas", disse o tucano. "Isso é típico. Na véspera da eleição o PT sempre inventa coisas para confundir o eleitor", afirmou Serra, segundo o qual todos os presidentes, nos últimos 25 anos, realizaram privatizações.

O tucano disse que pretende fortalecer as empresas públicas num eventual governo do PSDB, com destaque para a Petrobras, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal (CEF).

Serra reafirmou que irá evitar o loteamento de cargos nas empresas estatais e criticou a prática de nomeações da atual gestão. "Eu vou impedir o loteamento de cargos, que sempre acaba em corrupção", prometeu. "Com o Brasil, aliás, é o que vem acontecendo nos últimos anos. E agora, com os Correios."

A peça do PSDB creditou os ataques do PT ao crescimento do candidato nas últimas pesquisas de intenções de voto. O último levantamento CNT/Sensus mostrou os dois presidenciáveis em situação de empate técnico.

''Turma do contra''

A propaganda veiculada pelo PT foi a mesma exibida na noite de ontem. Dilma chamou o PSDB de "turma do contra" e voltou a citar suposta declaração do ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP) David Zylbersztajn, que teria se mostrado favorável à privatização da camada do pré-sal. O ex-diretor foi chamado pela petista de "assessor especial do candidato José Serra para a área de energia". "Isso seria um crime contra o Brasil", criticou.

A peça do PT voltou a afirmar que o PSDB pretende privatizar a Petrobras, discurso já adotado na campanha presidencial de 2006. E um ator sugeriu que o PSDB foi "humilhado" diante das potências mundiais no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.