Na TV, Marta traz Lula; Kassab e Alckmin disputam Serra

Na estréia da propaganda eleitoralgratuita na televisão, nesta terça-feira, os candidatos aprefeito de São Paulo aliaram promessas e trajetórias etentaram colar suas imagens a padrinhos políticos. O programa de Marta Suplicy (PT, PCdoB, PDT, PTN, PRB,PSB), líder nas pesquisas de intenção de votos, exibiudepoimento gravado especialmente pelo presidente Luiz InácioLula da Silva. Geraldo Alckmin (PSDB, PTB, PHS, PSL, PSDC) eGilberto Kassab (DEM, PR, PMDB, PRP, PV, PSC) se contentaramcom imagens de arquivo do governador José Serra (PSDB). "Tenho certeza que a volta de Marta para a prefeitura é amelhor coisa que pode acontecer para São Paulo... Temos plenaafinidade e juntos poderemos fazer muito para todos ospaulistanos e em especial pelos mais pobres", disse opresidente Lula no programa de 6 minutos e 40 segundos, osegundo maior entre os 11 candidatos. Marta afirmou que está diferente em relação ao primeiromandato à frente da prefeitura (2001-2004). "Sou uma pessoamais madura e preparada. Tenho coragem e apoio político." Ao lado de propostas para os transportes (47 km metrô e 228km de corredores de ônibus), para a educação (novos CentrosEducacionais Unificados, Ceus), para a saúde (policlínicas etrês novos hospitais), Marta afirmou que não terá um gabinetetradicional, mas uma sala com monitores ligados aos "centrosvitais da cidade", que lhe permitiria cobrar as soluções paraos problemas da capital. Não faltou um locutor para lembrar da classe média,apontada como responsável pela derrota na tentativa frustradade reeleição em 2004. Segundo o apresentador, "vamos ampliar ainclusão dos mais pobres e apoiar a nova classe média". Alckmin, em segundo nas pesquisas, apresentou um programamais modesto que seus principais concorrentes para ao finalchamar o eleitor para a apresentação da noite, que tem inícioàs 20h30. Em 4 minutos e 27 segundos, lembrou obras iniciadasem sua gestão, como o rodoanel e o Instituto do Câncer de SãoPaulo. Sua trajetória política trouxe imagens de Serra e doex-governador Mario Covas, morto em 2001. O programa de Kassab, empatado com Paulo Maluf (PP) emterceiro lugar nas sondagens, buscou comparações com a gestãode Marta e utilizou slogan similar ao usado pela ex-prefeita:"Deixa o Kassab trabalhar". "Quando Serra assumiu e Kassab assumiu, a prefeitura estavafalida, com obras paradas e caos na saúde", disse o locutor. Aofundo, imagens de recortes de jornais com notícias de jornaissobre a herança financeira da gestão Marta. Com o maior tempo (8 minutos e 44 segundos), Kassabapresentou suas obras --217 novas escolas, dois hospitais, 110AMAS (Assistência Médica Ambulatorial), o projeto CidadeLimpa-- e imagens suas ao lado do governador Serra. Maluf, que responde a processo por desvio de recursospúblicos, afirmou no programa que gastou menos que seusconcorrentes e fez mais. Segundo o programa, "está provado ninguém trabalhou tanto eaplicou tão bem o dinheiro de São Paulo". De camisa vermelha forte, Soninha Francine, que trocou o PTpelo PPS, não saiu do estúdio no programa de 1 minuto e 46segundos. Ela criticou as acusações mútuas entre os candidatose apresentou o mote: "Quem foi que disse que só tem um jeito defazer política?" Ivan Valente (PSOL, PSTU), Ciro Moura (PTC, PTdoB), LevyFidelix (PRTB), Edmilson Costa (PCB), Anaí Caproni (PCO) eRenato Reichman (PMN) tiveram entre 1 minuto ou menos na TVpara apresentar suas propostas.(Reportagem de Carmen Munari)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.