Reprodução
Reprodução

Na TV, Dilma diz que combaterá 'malfeitos' sem trégua

Em pronunciamento, presidente vinculou desvios a falta de recursos e disse pretender 'acabar com o desperdício'; declaração ocorre em meio à nova crise política, desta vez no Trabalho

Rafael Moraes Moura e Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2011 | 20h42

BRASÍLIA - No meio de mais uma crise política, com denúncias agora atingindo o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, a presidente Dilma Rousseff disse nesta terça-feira, 8, que vai fiscalizar gastos e combater "sem tréguas" desvios e malfeitos.

O comentário foi feito durante pronunciamento em rede nacional de rádio e TV, em que a presidente comentou ações voltadas para a área de saúde, anunciadas pela manhã em cerimônia no Palácio do Planalto. "A implantação do Melhor em Casa e do SOS Emergências demanda tempo, dedicação e recursos. Temos uma orientação clara: fazer mais com o que temos e não ficarmos de braços cruzados esperando que os recursos caiam do céu. Para isso, vamos continuar a aperfeiçoar métodos, fiscalizar gastos, acabar com o desperdício e combater sem tréguas os desvios e malfeitos", disse a presidente.

De acordo com Dilma, o governo conseguiu economizar nos seis primeiros meses deste ano cerca de R$ 600 milhões com a implantação de medidas, como a compra centralizada de medicamentos e a realização de auditorias.

A presidente prometeu reduzir o tempo de espera para atendimento de emergência e de internação, além de aumentar o número de médicos na rede pública. Dilma ainda defendeu um pacto republicano na saúde, envolvendo o governo federal, Estados e municípios.

O SOS Emergências pretende melhorar a gestão e o atendimento em hospitais da rede pública - a ação começa em 11 hospitais de grande porte neste ano. Já o Melhor em Casa é voltado para a ampliação do atendimento domiciliar pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaTVcorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.