Na TV, Dilma defende indústria naval

A inserção do PT exibida na noite de hoje (21) no horário eleitoral gratuito destacou obras do governo federal que distribuíram renda e apresentou a candidata Dilma Rousseff (PT) como a responsável por grande parte das iniciativas. A principal realização abordada pela propaganda foi a modernização da indústria naval brasileira. "A nossa indústria naval, que antes estava falida, hoje é uma das maiores do mundo", destacou. "O Brasil passou muito tempo parado, sem projeto, sem obra e sem planejamento", afirmou a petista.

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

21 de setembro de 2010 | 21h55

O PT voltou a destacar a biografia de Dilma, como uma mulher de sensibilidade, competência e liderança. "Ela ajudou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a colocar o Brasil no rumo certo", disse o locutor. Na peça, a geração de empregos pelo atual governo federal foi citada, com a estimativa de que, se continuar no mesmo ritmo, 2010 será "o ano em que o Brasil criou mais vagas na história". A candidata prometeu, caso eleita, criar 500 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), 6.000 creches e escolas primárias e 2 milhões de moradias. No final, Lula pediu votos para a petista. "O Brasil encontrou o seu rumo e a atuação da Dilma foi essencial para esse governo."

A peça do PSDB foi a mesma veiculada no início da tarde. O candidato José Serra destacou as últimas denúncias envolvendo tráfico de influências na Casa Civil, disse que é preciso refletir sobre os supostos episódios de corrupção e cobrou mais caráter da classe política. "Mais uma vez, é aquela história: ''Não vi nada, não sei de nada''", criticou. O tucano defendeu reajuste do salário mínimo nacional para R$ 600 e garantiu saber como garantir o aumento. "Sou economista, sei fazer contas, sei cortar desperdícios e sei planejar", afirmou. No fim, a campanha exibiu imagens do lançamento da candidatura, onde o tucano se emociona ao declamar trechos do Hino Nacional.

A propaganda do PV subiu o tom das críticas aos adversários, apresentando a candidata Marina Silva como a única que pode acabar com a "corrupção" e com o "atraso político". A peça destacou que a presidenciável é quem "não pratica o vale-tudo como forma de se manter no poder", em uma provocação aos oponentes. "Nós vamos aumentar o investimento na área de educação para 7% do PIB", prometeu a candidata. A propaganda também ressaltou o crescimento de Marina na mais recente pesquisa Ibope, divulgada na sexta-feira, na qual a candidata subiu de 8% para 11% das intenções de voto. "Marina é a única candidata que cresce nas pesquisas, a cada dia damos um passo para o segundo turno", disse o locutor.

Os demais candidatos repetiram as peças exibidas no início da tarde de hoje. José Maria Eymael, do PSDC, defendeu a criação de um Ministério da Família para preservar a comunidade e a educação. Levy Fidelix, do PRTB, disse que a eleição deste ano será um marco porque obrigará o próximo governante a implementar a reforma tributária. O candidato Plínio de Arruda Sampaio, do PSOL, pediu votos para que o partido continue sendo "o contraponto" da política brasileira. Os candidatos Zé Maria, do PSTU, e Ivan Pinheiro, do PCB, convidaram os eleitores a acompanhar hoje, às 21 horas, o debate dos candidatos de esquerda à sucessão presidencial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.