Na TV, Dilma defende abertura de capital da Infraero

Candidata disse que iniciativa permitiria aporte maior de recursos para a melhoria dos terminais

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

10 de agosto de 2010 | 10h03

SÃO PAULO - A candidata à Presidência Dilma Rousseff (PT) defendeu nesta terça-feira, 9, à noite a abertura de capital da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) como um meio para solucionar os gargalos aéreos e a carência do sistema de aeroportos do Brasil. Em entrevista ao Jornal das Dez, do canal pago Globo News, Dilma afirmou que a iniciativa permitiria um aporte maior de recursos para a melhoria dos terminais aéreos, por meio da participação de capital privado, e ressaltou para este caso o modelo de gestão compartilhada.

"Eu não estou contente com o ritmo das obras dos aeroportos. Acho que elas deveriam ser muito mais céleres", reconheceu. A petista afirmou que, num eventual governo dela, a questão será uma das prioridades. Dilma citou também as dificuldades no sistema regulatório nacional. "A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) tem todos os instrumentos para fiscalizar, punir e multar as empresas aéreas que deixam os passageiros abandonados", afirmou.

Durante a entrevista de 15 minutos, a candidata do PT ressaltou ainda a importância de os cargos da administração pública serem preenchidos por critérios técnicos, e não apenas por interesses políticos. Dilma respondeu a pergunta sobre o interesse demonstrado recentemente por aliados, como o PMDB, de lotarem postos estratégicos de uma eventual gestão do PT à frente da administração federal. "Tem de se escolher o melhor e o mais preparado para cada função", disse.

Porém, Dilma afirmou que a escolha pelo crivo da especialização não impede que haja indicações de caráter político. "Não é necessário que o cargo não seja indicado por algum partido que componha a aliança. O que é necessário é que haja transparência nos critérios de seleção." Ela disse que o governo anterior, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, indicou aliados para cargos da estrutura governamental e que esse tipo de procedimento diminuiu nos últimos anos com o amadurecimento do País.

Desmatamento. A candidata rechaçou qualquer iniciativa que torne flexíveis as regras ambientais ou que trate os "desmatadores" com leniência. "Eu não concordo de maneira alguma com procedimentos que signifiquem diminuir a luta pela redução do desmatamento." Dilma evitou criticar o projeto de lei que altera o Código Florestal Brasileiro, de autoria do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), que apoia a candidatura dela, e disse que a proposta deve ser votada após o período eleitoral, "quando diminuem as paixões".

No mesmo programa, a candidata declarou ser favorável à "política do diálogo" com outros países, diplomacia que tem pautado as missões do Ministério das Relações Exteriores. De acordo com Dilma, as estratégias "de confronto e de intolerância" não se mostraram efetivas na solução de obstáculos internacionais.

"Nós não podemos achar que a política do forte esmagando o mais fraco serve para alguma coisa." A candidata petista justificou as incursões das forças militares brasileiras no Haiti como uma medida necessária. "Nesse caso, é completamente diferente. Houve um golpe de Estado claro", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.