EFE
EFE

Na Turquia, Dilma apoia Estado palestino e pede fim da crise na Europa

No encontro com chefe de Estado turco, presidente exaltou a aproximação recente entre Brasil e Turquia

Reuters

07 de outubro de 2011 | 12h11

ANCARA - A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta sexta-feira, 7, que a Europa saia da atual crise econômica assegurando o crescimento econômico e a retomada do emprego. Em declaração à imprensa após assinatura de atos durante visita à Turquia, Dilma também falou de política internacional e voltou a defender uma solução de dois Estados para o conflito entre israelenses e palestinos.

"Desejamos à Europa uma saída rápida da crise por meio da busca por maior estabilidade macroeconômica, mas também - e sobretudo - assegurando a retomada do crescimento, da proteção ao emprego e dos segmentos mais vulneráveis das diferentes populações", disse Dilma, segundo áudio divulgado pela Presidência da República

A presidente exaltou a aproximação recente entre Brasil e Turquia e assinalou que sua visita ao país "reflete uma nova geopolítica do mundo". Dilma considerou que "poucos assuntos são mais importantes" que a busca por uma solução para o conflito no Oriente Médio entre israelenses e palestinos. "Sem uma solução para o povo da Palestina, também não haverá uma solução de segurança para o povo de Israel. Essa é uma questão crucial", defendeu.

O Brasil já se declarou favorável à criação de um Estado palestino nas fronteiras anteriores às da Guerra dos Seis Dias, em 1967. Em seu discurso durante a abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas em setembro, Dilma lamentou "não poder dar as boas-vindas à Palestina como um Estado reconhecido plenamente" pela entidade.

A Autoridade Palestina busca no Conselho de Segurança da ONU o reconhecimento de um Estado palestino, atitude que tem a oposição de Israel e dos Estados Unidos. Washington é um dos cinco membros com poder de veto no Conselho.

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICADILMACRESCIMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.