Na trilha dos isolados

Conheça os objetivos da expedição nas entranhas da Terra Indígena Vale do Javari, oeste do Amazonas

Roberto Almeida, O Estado de S. Paulo

01 de dezembro de 2009 | 17h18

São Paulo - Um sobrevoo realizado em julho deste ano pela Funai constatou o aparecimento de uma grande clareira próxima ao rio Boia, nas entranhas da Terra Indígena Vale do Javari, oeste do Amazonas. Quem a fez? Por quê? Quais foram os vestígios deixados?

 

 

 

 

 

A área é habitada por índios isolados, nunca contactados. São tribos com população estimada de 200 a 300 integrantes sem etnia definida, sem idioma conhecido. Sabe-se apenas de suas movimentações pela mata fechada por meio de imagens feitas por satélite e por relatos de índios ticunas, que afirmam ter visto traços de presença humana às margens do rio.

 

VEJA TAMBÉM

linkRumo à São Paulo de Olivença

linkTabatinga: A tríplice fronteira da desconfiança

linkMilícia indígena completa um ano comemorando expansão

linkPrimeiro contato do repórter Roberto Almeida

linkSegundo contato de Roberto Almeida

lista  Leia tudo o que foi publicado sobre a Expedição ao Vale do Javari

 

Para confirmar a existência da tribo, a Funai lançou no dia 1º de dezembro uma nova expedição da Frente Etno-Ambiental Vale do Javari, comandada pelo indigenista Rieli Franciscato. Serão percorridos mais de mil quilômetros pelos rios Solimões, Jutaí e Boia até chegar à área dos isolados, nunca investigada pela Funai.

 

A partir daí, serão feitas incursões de até 20 dias dentro da floresta para reconhecer vestígios dessa população misteriosa.

 

Não será feito contato. O objetivo é confirmar as referências do sobrevoo, das imagens do satélite e dos relatos dos ticunas para entender quem são e o que fazem esses índios isolados. As informações colhidas na incursão devem ajudar a protegê-los dos avanços de pescadores, garimpeiros e madeireiros pelo Vale do Javari.

 

A expedição, com duração mínima de 45 dias, será acompanhada pelo repórter Roberto Almeida e pelo repórter-fotográfico J.F. Diório, que embarcaram entre índios e mateiros no barco Kukahã, em Tabatinga, cidade da tríplice fronteira Brasil-Peru-Colômbia.

 

Com paradas previstas nos municípios São Paulo de Olivença, Amaturá, Santo Antônio do Içá, Tonantins e Jutaí, eles relatarão a situação dos índios já contactados do Vale do Javari. E com a incursão na floresta, apresentarão a situação da tribo desconhecida do rio Boia.

 

Por que fizeram a clareira? Quais foram os vestígios deixados? E o mais importante: eles estão ameaçados? 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.