Na terra de JK, Serra diz que se inspirará em antigo presidente para governar

Além da declaração, tucano criticou Lula e disse que, se eleito, somará e não dividirá o Brasil

Eduardo Kattah, de O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2010 | 15h42

DIAMANTINA - Em visita a Diamantina, terra natal de Juscelino Kubitschek, o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, disse nesta sexta-feira, 24, que se for eleito vai se inspirar no mineiro e aproveitou para fazer críticas indiretas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Tratando JK como uma "referência entre os grandes estadistas brasileiros", Serra comparou a conduta do ex-presidente à do atual ocupante do Palácio do Planalto.

 

"As pessoas podem julgar. Eu nunca vi o Juscelino numa campanha atacando pessoalmente adversários. Esse era um exemplo de conduta boa de um presidente da República", afirmou, ao ser perguntado sobre o fato de Lula citar frequentemente Juscelino em seus discursos. "Não vou fazer um juízo sobre o devido ou as devidas citações do Lula."

 

No entanto, em outra referência a Lula, disse que pretende governar a exemplo de JK, determinado "a somar o Brasil e não dividir". "Quero ser um presidente de todos e todas as brasileiras, de todos os estados, de todos os municípios, sem caracterização partidária. Na Presidência, não vou governar para partidos, vou governar para todo o nosso povo."

 

Em um palanque improvisado no centro histórico da cidade, o presidenciável tucano saudou o ex-governador Aécio Neves (PSDB) - candidato ao Senado - como "um homem que um dia também será presidente do Brasil". "Claro, me sucedendo seria o melhor dos mundos", completou.

 

Antes, Aécio havia pedido aos populares presentes empenho em favor do candidato tucano para levar a eleição presidencial para o segundo turno. O governador Antonio Anastasia (PSDB) - que disputa a reeleição e tem evitado mostrar Serra em seu programa eleitoral na TV - também pediu votos para o presidenciável de seu partido.

 

Museu - A agenda em Diamantina - que pode ser a última em Minas antes da votação em primeiro turno - foi encerrada com uma visita à Casa JK, residência onde o ex-presidente morou durante 14 anos até a adolescência, hoje transformada num museu. Serra sentou-se na cama que era do ex-presidente e imitou a pose de Juscelino em uma foto na cabeceira. O coordenador do museu, Serafim Jardim, leu uma carta escrita por Maria Estela Kubitschek.

 

A filha do ex-presidente justificou a ausência na cidade alegando problemas de saúde na família, mas convocou no texto os diamantinenses a se unirem aos herdeiros de JK na "batalha" para eleger Serra. Na carta, ela lembra a trajetória do pai, um "jovem pobre" que deixou Diamantina para estudar e acabou chegando à Presidência da República. "A família de JK está unida, trabalhando para que José Serra seja eleito em 3 de outubro."

 

O tucano - que durante o discurso no centro histórico havia cometido uma gafe ao errar o nome da cidade, chamando-a de "Adamantina" - disse que pretende se espelhar no exemplo do ex-presidente e governar com "generosidade, tolerância e determinação". "Para criar no Brasil uma economia forte que possa distribuir renda, criar emprego e proteger os desamparados", disse. "Eu não sou tão antigo assim, mas eu conheci e conversei muitas vezes com o Juscelino."

 

Campanha - Serra afirmou também que está com "grande fôlego" na reta final da campanha e confiante na ocorrência de segundo turno com a candidata petista Dilma Rousseff. "Essa é uma eleição que tem muito haver com o nosso futuro, então é muito bom ter tempo para poder pensar e examinar melhor as coisas."

 

O presidenciável do PSDB disse ainda que na reta final manterá a estratégia adotada até aqui na campanha. Ele repetiu promessas como a proposta de reajuste do salário mínimo para R$ 600,00 e mais investimentos na saúde, segurança e educação. Especificamente para Minas, prometeu novamente a recuperação da BR-381 no trecho entre Belo Horizonte e Governador Valadares. "Ao final do meu mandato não vai ter mais estrada da morte em Minas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.