Na SIP, Alckmin destaca 'Brasil diferente'

Governador afirma que País goza de mais influência e liberdade de imprensa que há 30 anos

Francisco Carlos de Assis, da Agência Estado

15 de outubro de 2012 | 16h05

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) condenou nesta segunda-feira, 15, visões populistas com viés autoritário em alguns países da América Latina que, segundo ele, podem ser prejudiciais não só à liberdade de imprensa, mas à liberdade de expressão em geral. O governador fez esta afirmação durante discurso na abertura do quarto dia da 68ª Assembleia-Geral da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), que acontece em São Paulo.

 

É a terceira vez que o Brasil sedia o evento. A primeira ocorreu em 1972 e a segunda, em 1981. Alckmin lembrou que desta vez a Assembleia da SIP encontra um Brasil diferente - com a economia crescendo e com liberdade de imprensa - do País de 31 anos atrás, quando começava o processo de abertura democrática e a economia encontrava dificuldades para se desevolver.

 

Alckmin negou referir-se ao Conselho Nacional de Comunicação, defendido por algumas organizações de esquerda, quando mencionou o conceito de visão populista. "Vejo que há abusos às vezes por parte de órgãos de imprensa, e eles podem ocorrer. O caminho não é restringir a liberdade de imprensa, mas dar mais liberdade de imprensa. Se houver abusos, deve ter sempre o Poder Judiciário para fazer a devida reparação. Mas acho que a liberdade de expressão, que é até mais que a liberdade de imprensa, não é uma dádiva do Estado. Portanto, ela não pode ser suprimida pelo Estado", disse o governador.

 

Para Alckmin, o Brasil, diferentemente de outros países da América Latina, vive uma situação melhor no que diz respeito aos direitos de liberdade de imprensa. "Acho que temos que fortalecer permanentemente a liberdade de imprensa, pois só damos o valor devido no dia em que a perdemos", disse o governador. "Victor Hugo foi muito feliz quando disse que o diâmetro da civilização é o diâmetro da liberdade de imprensa. É o diâmetro civilizatório, e nós queremos um grande diâmetro. Nada como a luz do sol para esclarecer, para debater."

 

O prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab, salientou que felizmente a democracia no Brasil está consolidada e a liberdade de imprensa não está ameaçada. "A manutenção da liberdade precisa de uma permanente vigilância de todos nós, cidadãos brasileiros. Não vamos aqui menosprezar tentativas que possam vir a acontecer, mas como cidadão brasileiro estou muito tranquilo em relação às nossas instituições e em relação às nossas liberdades", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
imprensaassembleiaSIPAlckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.