Na reta final, deputado vence em Rio Preto

O deputado estadual e médico Valdomiro Lopes (PSB) foi eleito ontem prefeito de São José do Rio Preto. Ele venceu o primeiro turno com 40,02% dos votos válidos. Nas pesquisas de intenção de voto no segundo turno, chegou a ficar dez pontos atrás do seu oponente, João Paulo Rillo (PT). Lopes, de 54 anos, já foi eleito vereador três vezes e exercia agora seu terceiro mandato como deputado estadual. Ele teve 51,21% dos votos válidos (109.145) contra 48,79% (103.967) de Rillo.O prefeito Edinho Araújo (PPS) comemorou o resultado. Apesar de não levar o candidato do partido, Orlando Bolçoni (PPS), para o segundo turno, apoiou Lopes na reta final da eleição. "O primeiro desafio será melhorar a gestão na saúde e melhorar a qualidade do atendimento às pessoas", afirmou Lopes.A última pesquisa do Ibope apontava um equilíbrio na disputa. Rillo liderava com 46% das intenções de voto contra 44% de Lopes. Na época, o candidato do PSB procurou minimizar a importância das pesquisas afirmando que o levantamento interno lhe assegurava a vitória. "Sabia que seria uma disputa polarizada, como sempre foi em Rio Preto, e disse isso desde o início", comentou o prefeito eleito.O governo de transição só será discutido nos próximos dias. "Vamos comemorar com os pés no chão, conscientes da nossa responsabilidade e com uma crise financeira mundial se avizinhando. A população colocou essa responsabilidade nos meus ombros. Vou tocar a cidade com muito carinho", afirmou Lopes. "Vamos trabalhar mais do que nunca para não decepcionar o povo."Lopes agradeceu o apoio do atual prefeito e de outros políticos da cidade. Não se esqueceu do governador José Serra (PSDB) que esteve na cidade na noite de quinta-feira para participar de um comício de apoio à candidatura de Lopes. "Vamos continuar todas as obras importantes, sem traumas", afirmou o prefeito eleito.A votação em São José do Rio Preto foi tranqüila, com trocas de apenas quatro urnas eletrônicas que apresentaram problemas. Ainda foram registrados três casos de boca-de-urna, encaminhados à Justiça Eleitoral, mas sem prisões dos acusados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.