Na propaganda do PMDB, Renan se defende e Chalita não aparece

Presidente do Senado foi alvo de petição que mobiliou 1,6 mi de pessoas na internet pedindo sua renúncia

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

28 de fevereiro de 2013 | 22h03

SÃO PAULO - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), usou a propaganda partidária do PMDB, veiculada nesta quinta-feira, 28, no rádio e na TV, para defender a liberdade de expressão nas redes sociais e para afirmar que "nada é maior" do que a vontade dele de acertar. Desde que assumiu o cargo, uma campanha pede para que ele renuncie. Uma petição na internet já reuniu mais de 1,6 milhão de assinaturas com esse fim. O peemedebista tem um currículo marcado por denúncias de irregularidades, que o levaram, inclusive, a deixar a presidência da Casa em 2007.

"É com a convicção de que ninguém pode ser proibido de dizer o que pensa nem de expressar seus sentimentos que eu chego à presidência do Senado. Democracia é respeitas as divergências, é conviver com as diferenças. Para os erros da democracia, mais democracia. Para as redes sociais, mais liberdade", afirmou. E, em seguida, emendou: "A contribuição do PMDB para o momento democrático que vivemos hoje é enorme, assim como é enorme a minha vontade de acertar. Neste momento posso afirmar nada é maior do que ela".

Ausência. Além de Renan, outros 15 peemedebistas estrelaram os dez minutos de propaganda a que o partido tem direito semestralmente. Apesar de tantas presenças, houve pelo menos uma ausência importante: a do deputado Gabriel Chalita, que no ano passado foi o candidato da sigla à Prefeitura de São Paulo. Esta semana, Chalita foi acusado de receber propina quando era secretário estadual da Educação. Por conta das denúncias, o deputado teria sido descartado pelo Planalto de assumir uma pasta na possível reforma ministerial preparada pela presidente Dilma Rousseff.

O vice-presidente da República foi escalado para encerrar a propaganda. Em sua fala, ele pediu unidade ao partido, que enfrenta diversas brigas internas. "À medida que as conquistas são alcançadas, aumenta nossa responsabilidade e, por isso, aumenta também a necessidade de estarmos cada vez mais unidos e fortes para darmos continuidade ao nosso projeto", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.