Na posse, Lula só citou Marinha

O único plano operacional e de revitalização tecnológica citado diretamente pelo presidente Lula na posse do ministro Nelson Jobim foi o do Comando da Marinha. Lula reafirmou a garantia de recursos de R$ 130 milhões ao ano até 2014 ou 2015 para a execução das etapas finais do Programa Nuclear - mantido pela Força Naval desde 1979 e deficitário a ponto de ter corrido risco de interrupção no fim de 2006.Não precisaria ser assim. A Marinha conta com receita própria, decorrente dos direitos de exploração e extração de petróleo na plataforma oceânica. O governo não repassa o dinheiro, recolhido pela Petrobrás e retido em benefício do superávit primário. Em dezembro, a Marinha tinha crédito de R$ 2,69 bilhões nos cofres da União. Em 2007 a arrecadação deve chegar a R$ 1,4 bilhão. Serão liberados, já se sabe, R$ 551,8 milhões, permanecendo bloqueados R$ 861,9 milhões. O orçamento do comando para o ano é de R$ 1,25 bilhão, embora tenha sido previsto R$ 1,8 bilhão. Os R$ 500 milhões cortados pelo Planalto seriam suficientes para custear a construção de 12 novos navios patrulheiros para a Amazônia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.