ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO
ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

Na posse do novo ministro da Transparência, Temer elogia a Câmara e comemora aprovação de projetos

Presidente em exercício também desejou sorte ao ministro Torquato Jardim para tirar País da 'crise extraordinária'

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2016 | 12h22

BRASÍLIA - O presidente em exercício, Michel Temer, usou a maior parte do seu breve discurso na cerimônia de posse do novo ministro da Transparência, Torquato Jardim, para elogiar o trabalho do Congresso e reforçar o pedido de apoio dos parlamentares. "Hoje (quinta, 2) estou fazendo 20 dias de governo ainda interino e tive a oportunidade de ver a Câmara e Senado trabalhando ativamente, algo que não ocorre há muito tempo", afirmou Temer, que chegou a pedir uma salva de palmas pelo trabalho dos deputados nesta madrugada, com a aprovação do projeto de Desvinculação de Receitas da União (DRU). "Foi um apoio indispensável ao poder Executivo", completou. 

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, em primeiro turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prorroga a DRU até 2023. Em uma demonstração da força da base aliada de Michel Temer no Congresso Nacional, a matéria foi aprovada por 334 votos a 90, mais do que os 308 votos mínimos necessários para aprovar uma PEC na Casa. Houve ainda duas abstenções.

Temer lembrou a aprovação da meta fiscal na semana passada e exaltou que a Câmara aprovou 15 projetos "até difíceis". "Temos tantos outros projetos pela frente e vamos precisar da Câmara dos Deputados", afirmou. Segundo ele, essa esse apoio ao Executivo também é importante para "revelar aos olhos da população" a integração entre os poderes. 

Transparência. Ao dirigir-se a Torquato, Temer exaltou as qualidades do ministro, disse que ele tem um currículo invejável e até fez uma brincadeira, afirmando que tinha "inveja" pois Torquato viajou o mundo para dar palestras. "Eu não tive essa honra".

Temer desejou sucesso ao novo ministro, alçado ao cargo após Fabiano Silveira deixar o cargo na última segunda-feira, depois da divulgação de conversas gravadas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. "Torquato, vá em frente, ajude esse governo porque acho que nós merecemos esse apoio para tirar o país da crise extraordinária", afirmou. 

Em seu discurso, Torquato chegou a se emocionar ao destacar a democracia brasileira, citar que seus pais não tiveram a oportunidade de viver em regime democrático e viveram na época do Estado Novo e ressaltou que enfrentará os desafios da pasta "sob o manto da Constituição". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.