''Na pior das hipóteses, recebe-se dinheiro para votar um projeto''

Candidata do PPS diz que conteúdo dos projetos não é levado em conta pela maioria dos vereadores de SP

Daniel Bramatti e Guilherme Scarance, O Estadao de S.Paulo

06 de setembro de 2008 | 00h00

Soninha Francine, candidata do PPS à Prefeitura de São Paulo, disse ontem que há pagamento de propina na Câmara Municipal em troca da aprovação de projetos. A afirmação foi feita na sabatina do Grupo Estado.Sem citar nomes, ela disse que vereadores votam "em função do que ficar combinado que eles receberão em troca". E acrescentou: "na pior das hipóteses", é o dinheiro que orienta as votações. Vereadora desde 2004, Soninha anunciou que lançará, no ano que vem, um livro intitulado O Catálogo da Desonestidade - de A a Z. O ciclo de sabatinas será encerrado na segunda-feira, com a participação de Ivan Valente (PSOL). A seguir, os principais trechos da entrevista de ontem:REGIÃO METROPOLITANA"Ainda que a gente não definisse como essa macrometrópole, que vai até Campinas, mas a metrópole em si, com seus 39 municípios, já precisa ser trabalhada em conjunto. Não tem como pensar em São Paulo só."CONTER EXPANSÃO"Dentro dos limites do município, essa expansão da mancha urbana tem de ser contida, porque não é sustentável."PROJETOS PARADOS"Na maioria dos casos, bons ou maus projetos, insignificantes ou muito relevantes, ficam parados na Câmara porque a organização da pauta de votação do plenário não tem nenhuma relação direta com a importância dos projetos, o mérito. A seqüência de projetos que serão votados em plenário, isso é definido a partir de acordos políticos."IPTU"Se você tem situações irreais, o justo é corrigi-las. É muito corajoso o prefeito, disputando uma eleição, falar disso."TRIBUTOS"Reforma tributária não é só reduzir impostos. É reduzir onde devem ser reduzidos e aumentar onde é injustamente baixo."CÂMARA É O PROBLEMA"O prefeito ou prefeita tem como o seu maior problema a relação com o Legislativo. A Câmara Municipal tem um poder de obstrução muito grande."CORRUPÇÃO"No mundo real, parlamentares, na Câmara Municipal de São Paulo, na Assembléia Legislativa, no Congresso votam a favor de um projeto em função do que ficar combinado que eles receberão em troca. Na pior das hipóteses, no pior dos mundos, recebe-se dinheiro para votar a favor ou contra determinado projeto."ACORDO POSSÍVEL"Já que é assim, o dever do prefeito é estabelecer que essa troca seja em bases minimamente republicanas."ACORDOS"Não só eu, mas alguns outros vereadores também foram procurados com pedidos de socorro: ?Olha, estão nos pedindo alguma coisa em troca de retirar um projeto da pauta.? Mas as pessoas morrem de medo de identificar e, no fim, sobrarem elas com o ônus da denúncia e de não terem como provar nada."LIVRO"Pretendo lançar ano que vem um livro, O Catálogo da Desonestidade - de A a Z. São tantas as formas possíveis de desonestidade que é bom compartilhar."INGENUIDADE?"Quem alegar ingenuidade ou desconhecimento, depois de ser vereador em São Paulo, deve ter sido dopado."CONGRESSO DE COMISSÕES"Quando um projeto tramita pela Câmara Municipal, passa por várias comissões, cada uma composta por 7 ou 9 vereadores. (...) Nas comissões, a praxe é os vereadores deixarem prosseguir os projetos dos colegas (...), como se isso fosse uma ofensa, como se manifestar contrariamente ao projeto de um vereador fosse falta de educação."APOIO"Eu não ofereço apoio incondicional a ninguém, nem ao meu maior aliado, nem ao meu vereador favorito."CLIMA NO PPS"A demonstração completa desse discurso (de renovação na legenda), que foi ter dito aos dois vereadores do PPS, a Myryam Athie e o Edivaldo Estima, que, caso eles quisessem continuar disputando mandatos parlamentares, eles estavam livres para procurar outras legendas, porque não seriam candidatos pelo PPS em 2008. Isso, para mim, foi uma demonstração muito palpável de um partido disposto a ter mais coerência."TENTARÁ SER DEPUTADA?"Pode ser que eu mude de idéia de novo na minha vida, porque eu já mudei várias vezes. (...) Mas eu não pretendo disputar outro mandato parlamentar."TRANSPORTE"Para resolver o trânsito você precisa atuar em três eixos. Um eixo é o do transporte coletivo, transporte público, tem muitas melhorias a fazer, racionalização da gestão. O outro eixo é a melhora da engenharia de tráfego, que inclui os semáforos, a política de estacionamento, o estudo de impacto de vizinhança dos pólos geradores de tráfego, inclusive algumas obras viárias. E o terceiro eixo é a reorganização do espaço urbano."METRÔ"Digamos que São Paulo conseguisse, com recursos federais, do petróleo no pré-sal, milhões de reais para investir em metrô em São Paulo. Vocês imaginem a cidade construindo 43 quilômetros de metrô em quatro anos, o caos que seria? Seria uma temeridade. É impossível."FAIXAS PARA MOTOS"Tem uma obra viária que considero fundamental, que é a faixa exclusiva para motos. (...) Em todos lugares em que for possível fazer essa faixa exclusiva - marginais, 23 de Maio, até na Avenida Paulista - tem de fazer."PEDÁGIO URBANO"Pedágio urbano talvez seja uma medida inevitável. É para desestimular o uso supérfluo dos automóveis. A oferta de transporte público no centro de São Paulo é boa, tem lá o metrô, os ônibus. É preciso melhorar as ligações de ônibus interbairros, integrar melhor o metrô com os automóveis, com edifícios-garagem. Depois de tomar essas providências, você pode estabelecer a cobrança de pedágio urbano nos lugares em que o espaço é muito raro, muito disputado. O efeito prático é que diminuem congestionamentos."ROBERTO FREIRE"Se souber que o presidente do meu partido faz parte de um conselho, é remunerado por isso e não participa, eu o condenarei."DOAÇÕES DE CAMPANHA"Vou falar muito sinceramente. Muito provavelmente o maior doador do PPS, assim como dos outros partidos, é uma empreiteira. O que não me constrange em absoluto. (...) Não me sinto obrigada a retribuir a uma empresa ou a uma categoria pelo fato de ter doado dinheiro ou feito campanha para mim."MUTIRÕES DE SAÚDE"Na saúde precisamos de uma ação de emergência como a do pós-furacão Katrina. (...) Temos de fazer mutirões de exames, como medida de emergência. Sábados e domingos inteiros na rede pública e contratação de serviços privados."LEGALIZAÇÃO DA MACONHA"Há muito tempo eu não fumo, mas a minha opinião continua a mesma. Tenho a convicção de que, se o comércio fosse legalizado, normatizado, controlado, o dano para a sociedade seria menor do que o dano decorrente do fato de o comércio ser ilegal."CRÍTICA AOS CEUs"Eu sou fã dos CEUs. Batalhei muito, como vereadora, para que esse governo, que se elegeu falando mal dos CEUs, revisse suas posições e retomasse o projeto. (...) Mas qual o problema com os CEUs? A qualidade de ensino não tem resultados melhores do que no resto da rede municipal."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.