Na página de Dilma no Facebook, Berzoini diz que vazamento de diálogo comprova 'golpe'

Ex-ministro do PT disse que é preciso exigir a demissão de Romero Jucá e investigar a relação de Temer com o diálogo

Elizabeth Lopes, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2016 | 13h06

SÃO PAULO - Em vídeo postado na página da presidente afastada Dilma Rousseff (PT) no Facebook, o ex-ministro-chefe da secretaria de Governo Ricardo Berzoini disse que a revelação do diálogo entre o ministro do Planejamento, Romero Jucá, e o ex-dirigente da Transpetro Sérgio Machado "demonstra a verdadeira razão do golpe praticado contra a democracia e contra o mandato legítimo de Dilma. O objetivo é frear a Lava Jato, o objetivo é empurrar para debaixo do tapete as investigações (do escândalo da Petrobrás)." E diz que é preciso exigir a demissão de Romero Jucá e investigar a relação de Michel Temer com esse diálogo.

Na avaliação do ex-ministro da gestão petista, o diálogo não deixa dúvidas, "mostra um pretendente a ser ministro do golpe, conversando com uma pessoa que estava sendo investigada e eles tentando tramar pra encontrar no impeachment a forma de frear a apuração e investigação dos crimes praticados."

Berzoini diz que o povo brasileiro tem o direito de saber tudo sobre essas gravações. "Não é possível admitir que um diálogo como este não seja efetivamente investigado a fundo. É um escândalo, uma vergonha, um produto do governo golpista de Eduardo Cunha, Michel Temer e Romero Jucá", disse, reiterando a cobrança para que tudo seja investigado a fundo. 

Mais cedo, o senador Paulo Rocha (PT-PA), líder do partido no Senado, já havia dito que a divulgação da conversa é a comprovação do 'golpe' contra Dilma.

Jaques.  Ex-ministro de Governo da presidente afastada, Dilma Rousseff, Jaques Wagner também usou as redes sociais para criticar as conversas do ministro do Planejamento, Romero Jucá, e do ex-presidente da Transpetro Sergio Machado. "Após uma semana de sucessivas notícias negativas, vieram à tona hoje diálogos estarrecedores do ministro do Planejamento, Romero Jucá. As conversas dele com Sérgio Machado não deixam margem para dúvida: o impeachment só ocorreu porque o PMDB temia o avanço da Lava Jato", escreveu Wagner.

Em uma das postagens, Wagner destaca uma foto de Jucá com os dizeres: "Farsa definitivamente desmascarada. Objetivo do golpe era estancar sangria da Lava Jato". A frase faz menção a fala de Jucá que, de acordo com a Folha de S. Paulo, sugere a existência de um pacto para obstruir a operação, dizendo que é preciso "estancar sangria". Há pouco, o ministro disse que não se referia à Lava Jato e que estava falava sobre a economia do país.

Segundo Jaques Wagner, a cada dia que passa fica mais evidente que o governo Temer "não tem condições de oferecer soluções aos anseios do país". "Não era para combater a corrupção que eles queriam tirar @dilmabr do poder. Era justamente para permitir que os malfeitos continuassem ocorrendo livremente", afirmou.

O ex-ministro de Dilma afirmou ainda que até mesmo grupos e setores que apoiaram o impeachment já perceberam isso e começam a se manifestar e pede que a Justiça investigue "de modo firme e célere mais essas denúncias contra Jucá e o grupo político do qual ele faz parte". /COLABOROU CARLA ARAÚJO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.