Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Na mesma terça-feira, três derrotas para o presidente Bolsonaro

PEC que recriaria o voto impresso no Brasil foi enterrada, a Lei de Segurança Nacional foi derrubada no Senado e a convocação de blindados militares para desfilar na Praça dos Três Poderes e na Esplanada dos Ministérios foi um fiasco

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2021 | 05h00

O presidente Jair Bolsonaro sofreu três derrotas relevantes nesta terça-feira, 10, e a principal delas foi a decisão do plenário da Câmara de "enterrar definitivamente", como disse o presidente da Casa, deputado Arthur Lira (PP-AL), a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que recriaria o voto impresso no Brasil. Esta era - ou é? - não apenas a principal bandeira, mas a atual obsessão de Bolsonaro. 

As duas outras derrotas: a Lei de Segurança Nacional (LSN) foi derrubada no Senado e a convocação de blindados militares para desfilar na Praça dos Três Poderes e na Esplanada dos Ministérios foi um fiasco, pelo espetáculo, pelas autoridades que participaram e pelo público que assistia. Em vez de ajudar, pode ter piorado as chances de aprovação do voto impresso na Câmara.

Se lhe serve de consolo, o presidente tem a favor dele o placar da votação do voto impresso na Câmara. A proposta perdeu porque não atingiu os 308 votos necessários para aprovar emendas constitucionais e nem mesmo os 257 de maioria absoluta, mas teve mais votos favoráveis (229) do que contrários (218). Arthur Lira, que conversou com ele antes da votação, anunciou que Bolsonaro acataria o resultado, qualquer que fosse ele. Mas, com Bolsonaro, nunca se sabe.

O fato é que o placar dá a chance ao presidente de manter o discurso e o ataque à urna eletrônica, ao TSE e a ministros do Supremo, atiçando suas bases na internet, tirando o foco da pandemia, da CPI da Covid e da crise social e insistindo que ele tem razão e tem maioria. Apesar de, na realidade, ter usado todos os recursos à sua disposição e mesmo assim jamais ter comprovado uma única fraude sequer do sistema eleitoral brasileiro. 

A urna eletrônica, aliás, foi criada em 1996 e até hoje passou ilesa nesse quesito: jamais houve uma acusação séria e com provas de fraudes nos resultados e, além de Bolsonaro, todos os atuais 513 deputados e 81 senadores foram eleitos justamente por esse sistema. E, como lembraram durante a votação, nunca reclamaram.

A segunda derrota de Bolsonaro também foi importante. O Senado derrubou à tarde a famigerada Lei de Segurança Nacional., um instrumento que foi criado e bastante usado na ditadura militar contra os opositores do regime, mas vinha sendo utilizado pelo governo Bolsonaro e até pelo ministro do Supremo, Alexandre de Moraes.

E a terceira derrota é recheada de simbolismo: o presidente da República e o ministro da Defesa, general Walter Braga Neto, deram um tiro no pé  ou melhor, um tiro n'água, já que se trata da Marinha - ao promoverem um desfile de blindados e equipamentos militares na Praça dos Três Poderes e na Esplanada dos Ministérios, justamente no dia da votação do voto impresso. O resultado está nas redes sociais e até na mídia internacional: o desfile virou motivo de chacota.

Além disso, Bolsonaro assistiu a ele cercado de militares e um ou outro ministro ou líder do Centrão, como o ministro Ciro Nogueira, da Casa Civil, e o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, que vai depor na quinta-feira na CPI da Covid no Senado, mas nenhum dos seus convidados do Judiciário e do Legislativo compareceu. 

A foto da cerimônia e as manifestações na Câmara e no Senado mostram isolamento, não força, liderança e capacidade de união do presidente  E, se a intenção era amedrontar deputados, senadores e ministros, definitivamente não foi isso que aconteceu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.