Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Na internet, senadores se dividem entre 'página virada' e 'página triste' sobre impeachment

Ronaldo Caiado (DEM-GO), Aécio Neves (PSDB-MG), Flexa Ribeiro (PSDB-BA) e Humberto Costa (PT-PE) foram alguns dos parlamentares que se expressaram sobre a sessão histórica da tarde desta quinta, 31

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2016 | 15h15

SÃO PAULO - Após o Senado confirmar a condenação de Dilma Rousseff (PT) por 61 votos a 20, senadores e partidos usaram as redes sociais para comemorar ou lamentar a decisão. Até o momento, os comentários ficaram concentrados à perda do mandato, e não à votação sobre a habilitação da petista por oito anos. Enquanto os parlamentares contrários à presidente deposta classificaram o momento como "página virada", os apoiadores da petista afirmaram que o episódio é uma "página triste" na história do País.

Ronaldo Caiado (DEM-GO) foi um dos primeiros a se manifestar assim que o painel eletrônico do Senado mostrou o resultado da primeira votação. "Tenho a certeza que o Brasil vai tirar algumas lições deste processo", comentou no Twitter.

Aécio Neves (PSDB-MG) disse que, com o resultado, "venceu a democracia, venceu a Constituição, venceu o Brasil!". Ricardo Ferraço (PSDB-ES) declarou após a decisão que "agora é página virada e bola pra frente Brasil!". Ataídes Oliveira (PSDB-TO) se manifestou que o País fica "enfim livre da era PT", mostrando uma imagem vermelha com a palavra "fim".

Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Romário (PSB-RJ), Romero Jucá (PMDB-R), Lasier Martins (PDT-RS), José Medeiros (PSD-MT) e Lucia Vania (PSB-GO) destacaram a perda definitiva de Dilma no cargo exibindo o resultado da primeira votação no painel eletrônico.

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), disse que a Casa "entra para as páginas mais tristes da História" ao cassar a presidente Dilma. Lindbergh Farias (PT-RJ), um dos senadores que encaminhou voto contrário ao impeachment, criticou Michel Temer, que assume a Presidência oficialmente às 16h. "Assume Temer, o sem votos, sem dignidade, sem virtudes. Sua missão: aumentar o poder do dinheiro sobre os cidadãos. É uma infâmia."

Apoiadora de Dilma, Lídice da Mata (PSB-BA) lamentou o resultado e classificou o momento como "página infeliz" da história. "Lamento com tristeza a postura de alguns senadores que apesar de saberem que Dilma não cometeu nenhum crime que justifique sua cassação, preferem rasgar suas biografias, virar as costas para o passado", afirmou.

Fátima Bezerra (PT-RN) classificou o momento como "Escárnio! Vergonha". Ela mostrou uma foto em que aparece alguns parlamentares. "Turma de Cunha celebrando aqui no plenário o golpe contra a democracia", legendou.

Roberto Requião (PMDB-PR), o único peemedebista a votar a favor de Dilma, afirmou que o grupo não perdeu a razão. "Perdemos a votação mas não a razão. Votamos pelo Brasil, quem viver verá!", escreveu no Twitter.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.