REPRODUÇÃO
REPRODUÇÃO

Na internet, Alckmin inicia sua pré-campanha 

Governador faz ofensiva para nacionalizar seu nome visando à disputa pela Presidência; mote é ‘preparado para o Brasil’

Pedro Venceslau , O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2017 | 05h00

Com patrocínio do diretório estadual do PSDB, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, lançará nesta terça-feira, 24, uma ofensiva na internet para nacionalizar sua pré-candidatura à Presidência da República em 2018.

O movimento, que é visto por tucanos como o início de fato da campanha, adotou o mote “#preparadoparaoBrasil” e tem como objetivo “humanizar” a imagem do governador.

Para isso, uma equipe de dez profissionais comandada pelo marqueteiro Lula Guimarães, responsável pela campanha de João Doria em 2016, vai usar linguagem informal nas postagens, produzir vídeos de bastidor e adotar um discurso mais direto com o eleitor.

O custo da operação será de R$ 90 mil mensais e a equipe deve receber o reforço de um time de “disseminadores” nas redes sociais. A comunicação da pré-campanha terá designer, redatores, videomaker e ainda haverá um monitoramento diário de mídias.

A base da plataforma será um site com vídeos e imagens de apoiadores, além de uma sessão chamada “anti-fake news”, com “verdades e mentiras” sobre Alckmin. O portal entrará no ar nesta terça com uma longa entrevista com o governador.

Para marcar posição no campo tucano, serão feitas comparações entre a gestão dele e a da presidente cassada Dilma Rousseff. Em uma das mensagens, serão destacadas notícias de jornal nas quais Dilma nega a crise econômica em 2014, enquanto Alckmin “cortava cargos” e “vendia um helicóptero” para reduzir gastos.

Redes. O governador também vai reforçar a defesa de prévias no PSDB para definir o candidato em 2018, em postagens no Facebook e no Twitter, além de fotos no Instagram.

“Para a imprensa, o governador Geraldo Alckmin já vem se assumindo como pré-candidato, mas essa é a primeira ação de propaganda sobre isso”, disse ao Estado Lula Guimarães.

Segundo ele, o paulista e o paulistano conhecem bem o governador, mas faz 11 anos que ele foi candidato a Presidência. “Nem todo mundo o conhece bem, especialmente os mais jovens que estão ligados na internet”, afirmou o marqueteiro. A estratégia de comunicação foi aprovada em uma reunião no sábado passado no Palácio dos Bandeirantes.

Na estrada. A partir de agora, uma equipe de comunicação paga pelo partido vai acompanhar o governador nas viagens pelo Brasil. A estratégia já é usada pelo prefeito João Doria, que paga do próprio bolso para uma agência de comunicação registrar seu dia a dia e fazer monitoramento das redes sociais.

“Éramos fracos nessa área. Essa estratégia tem o objetivo de nacionalizar o nome dele. O Geraldo já é o candidato de 90% do PSDB”, afirmou o deputado estadual Pedro Tobias, presidente do partido no Estado.

A página do governador no Facebook tem 836.482 seguidores, um número considerado baixo pelos estrategistas do PSDB. O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), por exemplo, outro presidenciável, tem 4.750.916 seguidores, contra 3.017.604 do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e 2.910.761 do prefeito João Doria, que também pleiteia a vaga de candidato do PSDB.

Além da ofensiva nas redes sociais, o governador também vai intensificar a agenda de viagens pelo Brasil.

Apesar de aliados de Doria defenderem, agora, a desistência da corrida nacional e a disputa pelo governo paulista, o prefeito manterá a agenda de viagens pelo Brasil nos próximos meses. A próxima será no Rio, no dia 31, quando encontrará artistas e empresários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.