Na Inconfidência, homenagem aos líderes das Diretas Já

A festa em comemoração ao Dia de Tiradentes em Ouro Preto foi marcada pela lembrança dos 20 anos da campanha pelas Diretas Já. O governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), homenageou dezenas pessoas que participaram do movimento. Intelectuais e artistas que participaram da campanha também fizeram parte da cerimônia. A oradora oficial do evento, por exemplo, foi a atriz Fernanda Montenegro, e a cantora Fafá de Belém encerrou a cerimônia cantando o hino nacional, como fazia nos comícios da Diretas. Grandes líderes do movimento - Tancredo Neves, Teotônio Vilela, Ulysses Guimarães, Franco Montoro, Mário Covas e José Richa - foram homenageados in memoriam. O governo de Minas caprichou na decoração da Praça Tiradentes, com a instalação de três palanques para as autoridades e agraciados e dois telões. Até bonecos das principais lideranças foram colocados no palanque principal, entre eles o do então sindicalista Luiz Inácio Lula da Silva. Apesar do clima festivo, houve espaço para uma reflexão crítica em relação à democracia brasileira. Para o autor da emenda que propunha a volta das eleições diretas no País, o ex-governador do Mato Grosso, Dante de Oliveira, o grande desafio do regime no País é conciliar as liberdades individuais com as conquistas sociais. "É um regime belo, um regime que liberta a sociedade em geral, mas isso tudo tem de ser transformado em emprego, em educação, saúde, melhores salários, melhor qualidade de vida. Quando não acontece isso, passa a angustiar a população mais pobre", observou Oliveira. ManifestantesA Polícia Militar calculou que entre 20 e 30 mil pessoas estiveram em Ouro Preto acompanhado as comemorações da Inconfidência. Cerca de 600 ônibus chegaram à cidade, de acordo com a PM. Entre os manifestantes que se concentraram na Praça Tiradentes estavam servidores estaduais, estudantes e sindicalistas da CUT e Força Sindical, além de representantes do PSTU e da Liga Operária, que levaram faixas de protesto contra os governos federal e estadual. A PM não registrou nenhum incidente. Apenas no trajeto para a cidade, servidores estaduais ligados à CUT protestaram contra a revista imposta pelos policiais deitando na pista da BR 356. Ninguém foi preso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.