Na hora do almoço, o sabor da popularidade

Barbosa é reconhecido nas ruas do Rio e ganha elogios

, O Estadao de S.Paulo

25 de abril de 2009 | 00h00

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa passou ontem pelo teste da popularidade, após ter protagonizado um bate-boca com presidente da Casa, ministro Gilmar Mendes, que foi transmitido ao vivo pela TV Justiça, na quarta-feira. Ao almoçar no Rio com três amigos e, depois, caminhar pelas ruas da cidade no início da tarde, Barbosa foi reconhecido e muito cumprimentado por cidadãos anônimos. Procurado pelo Estado por telefone, o ministro desconversou sobre a reação do público: "Não tem nada disso não, deixa pra lá." Quem estava no centenário Bar Luiz, na Rua da Carioca, no centro da cidade, viu Barbosa ser cumprimentado por diversas pessoas que almoçavam no restaurante por volta das 14h30, quando ele e três amigos deixavam a casa. Alguns dos presentes acenaram de suas mesas. Em pelo menos duas mesas que estavam no caminho por onde ele passou para sair do restaurante, o ministro foi obrigado a parar para ouvir cumprimentos como "parabéns, ministro". Barbosa chegou ao restaurante às 13 horas e almoçou um filé com salada de batatas, acompanhado de pelo menos dois chopes, como relataram garçons que atendiam outros fregueses. Na saída, foi cumprimentado pelo gerente do turno, Raimundo Gomes, com 36 anos de casa, e pela dona do bar, Rosana Santos. Fundado ainda no Império, em 1887, o Bar Luiz é um dos mais tradicionais pontos de encontro dos cariocas no Centro do Rio. Suas especialidades são comida alemã e chope. Os elogios se repetiram no trajeto que o ministro fez do restaurante à Avenida Rio Branco, distante cerca de dois quarteirões, onde entrou no carro oficial. Ele chegou a ser parado por populares e foi até fotografado com celulares, conforme relatou a coluna Radar Online, da revista Veja.À tarde, esteve com colegas da Procuradoria da República. Um deles garantiu ao Estado que ele "está bem, feliz e sem nenhum arrependimento".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.