Na França, Jobim discute 'aliança estratégica' militar

Ministro negocia transferência de tecnologia militar com presidente francês.

Daniela Fernandes, BBC

29 de janeiro de 2008 | 10h25

O ministro brasileiro da Defesa, Nelson Jobim, se reúne nesta terça-feira, 29,  em Paris com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, para discutir uma "aliança estratégica" entre as forças militares dos dois países que prevê a transferência de tecnologia francesa para a construção de submarinos nucleares de defesa e também a produção do helicóptero Cougar, da Eurocopter, no Brasil. Segundo Jobim, o governo se comprometeria a comprar cerca de 50 helicópteros, destinados à Marinha, Exército e Aeronáutica, desde que os modelos Cougar sejam produzidos no Brasil pela filial da Eurocopter, a Helibrás. A Eurocopter é uma subsidiária do consórcio europeu EADS, que controla a Airbus, com participação acionária do Estado francês. "Para produzir o Cougar no Brasil, a empresa quer que haja a definição de uma compra desses helicópteros no país. Só compraremos nessas condições, se houver transferência de tecnologia", afirmou o ministro Jobim. Ele afirmou que essa visita à França, que vai até sexta-feira, não é "uma viagem de compras e sim de discussões de parcerias para a realização de projetos". O ministro discutiu na segunda-feira em Paris com represantes do banco francês Société Générale - que acaba de sofrer uma gigantesca fraude de cerca de US$ 7 bilhões - a possibilidade de financiamento desse projeto envolvendo a compra e a produção de helicópteros Cougar no Brasil. Submarinos No encontro de terça-feira com o presidente Sarkozy no Palácio do Eliseu, Jobim também discutirá a transferência de tecnologias para a produção de submarinos nucleares de defesa no Brasil, um projeto desenvolvido pela Marinha brasileira desde 1979, mas que não saiu do papel por questões orçamentárias. O ministro afirmou que o Brasil já tem a tecnologia do ciclo de produção do combustível nuclear, mas ainda não em escala industrial (parte é feita na Europa e outra parte no Canadá). "Já dispomos da tecnologia para a produção do combustível. Ainda não temos escala industrial por questões econômicas. Precisamos da tecnologia francesa para construir o casco e todo o sistema informático interno do submarino", disse Jobim. A parceria para a transferência de tecnologia seria realizada com a empresa francesa DCNS, estaleiro controlado pelo governo francês que produz esses submarinos (75% do capital pertence ao Estado e os 25% restantes ao grupo Thales). Jobim se encontrou na segunda-feira com o presidente da DCNS, Jean-Marie Poimboeuf, e visitará na quarta-feira, em Toulon, um submarino nuclear de ataque e, na quinta, a sede da empresa em Cherbourg, no norte da França. De acordo com o ministro, a "aliança estratégica" entre Brasil e a França na área militar envolve, além da transferência de tecnologias, acordos de cooperação para a formação de soldados. "A aliança estratégica faz parte do Plano Estratégico da Defesa que estamos elaborando e que deverá estar concluído até setembro", disse Jobim. Segundo ele, os detalhes da aliança estratégica entre o Brasil e a França deverão ser anunciados no encontro entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Sarkozy na Güiana Francesa, previsto no dia 12 de fevereiro.           BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.   Texto atualizado às 15 horas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.