Na CPI, diretor pede lei que autorize escuta da Abin

Paulo Lacerda alertou que, atualmente, a Abin não pode realizar escutas telefônicas

AE, Agencia Estado

17 de abril de 2008 | 12h02

O diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Paulo Lacerda, que depôs nesta quinta-feira, 17,  na CPI das Escutas Telefônicas, pediu aos integrantes da comissão que proponham uma lei que autorize a Abin a quebrar o sigilo telefônico e fazer escutas quando houver ameaças de terrorismo e de sabotagem contra o Estado.   Paulo Lacerda alertou que, atualmente, a Abin não pode realizar escutas telefônicas, diferentemente do que ocorre com os serviços de inteligência de diversos países.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.