Na contramão, Ceará planeja investir mais e até desonerar

A crise não assusta o Ceará. Quem diz é a secretária de Planejamento e Gestão, Silvana Parente: "Pelo contrário, estamos trabalhando até com muito otimismo. Fizemos uma boa poupança, com o superávit de 2007 e 2008, e vamos investir mais." Segundo ela, o Estado economizou R$ 1,5 bilhão no ano passado e deve ter R$ 3 bilhões para investimentos neste ano, entre recursos próprios, do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do BNDES.O segredo da tranquilidade, explica Silvana, foi o grande ajuste, com forte contenção de gastos, efetuado em 2007. A secretária adianta que há planos até de desoneração fiscal em 2009 - com modernização e aumento da eficiência de arrecadação e, eventualmente, redução de tributos para empresários. "Sabemos que a crise vem, mas no Ceará não chegou ainda. No máximo, reduziu um pouco a taxa de criação de empregos, mas não a atividade industrial", comenta.JATINHOAté recentemente considerado um dos Estados mais endividados do Brasil, o Rio Grande do Sul, que virou o ano celebrando o fim do histórico déficit orçamentário, também não prevê cortes ou contingenciamento. Pelo contrário: a governadora Yeda Crusius (PSDB) - que planeja comprar um jato executivo de até US$ 26 milhões - diz que os R$ 300 milhões do superávit de 2008 são um "colchão" a ser usado contra a crise, se preciso.No ano passado, a receita cresceu quase R$ 3 bilhões. Em dezembro, porém, veio um sinal negativo - na comparação com o mesmo mês de 2007, a receita tributária caiu de R$ 1,44 bilhão para R$ 1,40 bilhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.