Renato Onofre/Estadão
Renato Onofre/Estadão

Com o pai nos EUA, Carlos vai a Brasília para tocar agenda de Bolsonaro

Vereador foi aos gabinetes do irmão Eduardo e do deputado Hélio Lopes; no Twitter, disse que foi atender pedidos do pai

Renato Onofre, Camila Turtelli e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2019 | 15h09

BRASÍLIA - Na ausência do presidente Jair Bolsonaro, que está em Washington, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) está em Brasília nesta segunda-feira, 18, para, segundo ele, cumprir missões dadas pelo pai. Embora não ocupe cargo no governo, Carlos postou nas redes sociais fotos do seu tour. Ele despachou na Câmara dos Deputados e no Palácio do Planalto.

"Em Brasília. Dentre muito o que conversar com amigos Deputados Federais e desenvolvendo linhas de produção solicitadas pelo Presidente Jair Bolsonaro", relatou no microblog.

Os primeiros compromissos foram no Legislativo. O vereador foi aos gabinetes do irmão, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e do deputado Hélio Lopes (PSL-RJ). Na Câmara, estava acompanhado do subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil, José Vicente Santini. Carlos não quis falar com a imprensa.

Assim que chegou na Câmara, o Estado flagrou Carlos ao telefone no corredor que dá acesso ao gabinete de Eduardo, fazendo críticas a área de comunicação do governo. A um interlocutor não identificado, o "02", como é chamado por Bolsonaro, ele reclamava da área. O vereador já forçou a demissão de um ministro, Gustavo Bebianno, e tem pessoas de sua confiança na estrutura do Planalto.

Ao deixar o governo após ser chamado de mentiroso por Carlos nas redes sociais, Bebianno disse a interlocutores que há uma estrutura contratada pelo Planalto para atacar nas redes quem desagrada Carlos. O episódio fez com que Carlos retornasse ao Rio para cumprir suas funções como vereador, onde esteve desde então. 

No gabinete do deputado Hélio Lopes, Carlos Bolsonaro ficou por cerca de uma hora. O deputado é uma liderança entre suboficiais e outros membros da base do Exército. Desde domingo, ele tenta acalmar representantes da caserna insatisfeitos com a falta de propostas claras para os militares de menor patente na reforma da Previdência.  

Após o encontro, o vereador postou no Twitter que estava em Brasília onde desenvolvia "linhas de produção solicitadas pelo Presidente Jair Bolsonaro". No domingo, Bolsonaro usou o Twitter para dizer que ainda não conhecia a “versão do projeto de lei que trata da previdência dos militares” e avisou: “possíveis benefícios ou sacrifícios são divididos entre todos, sem distinções ou graduações. Vamos valorizar e unir a tropa no ideal de melhor servir o País”, digitou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.