Mutirão levará serviços a aldeias indígenas no Maranhão

Cerca de 200 profissionais farão a partir de amanhã um mutirão para levar vários serviços a cerca de 6.400 índios das etnias guajajara, kaapó e krikati que vivem nos municípios de Arame, Grajaú, Santa Luzia do Paruá e Montes Altos. Os serviços ? nas áreas de saúde e expedição de documentos ? serão estendidos aos 3 mil moradores de áreas remanescentes de quilombos do município de Alcântara. Coordenado pela Gerência de Desenvolvimento Social (GDS) e Secretaria de Solidariedade Humana (SSH) e por três gerênciasregionais (Alto Turi, Região do Centro Maranhense e da Região do Tocantins), segundo a Agência Brasil, o mutirão reunirá de empresários a integrantes de organizações não-governamentais, além de representantes das administrações regionais da Fundação Nacional do Índio (Funai), Gerência de Qualidade de Vida (GQV), Saúde Preventiva, Tribunal Regional Eleitora do Maranhão, Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Serv iço Nacional da Industria (Senai), Eletronorte, entre outros. Até o dia 3 de maio, o mutirão estará nas aldeias dos municípios de Arame e Grajaú; de 10 a 16 de maio, nas de Santa Luzia do Paruá; e de 17 a 22 de maio, nas de Montes Altos. De 24 a 30 de maio será a vez dos moradores de povoados de Alcântara.Os índio s poderão tirar Carteira Profissional, Certidão de nascimento, Carteira de Identidade e Título de Eleitor, e também se inscrever no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Na área de saúde, haverá atendimento clínico, de prevenção do câncer, ginecologia, oftalmologia, pediatria e exames laboratoriais. Serão formados agentes multiplicadores para prevenção da desnutrição e acompanhamento de gestantes. E segundo asupervisora de Serviços Indígenas da GDS, Cláudia Corrêa, o mutirão incluirá ainda cursos de capacitação profissional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.