Mulheres reforçam lobby por procuradora

Ela Wiecko ganha apoio de senadoras, mas Lula deve escolher Roberto Gurgel para vaga de Souza

Felipe Recondo, O Estadao de S.Paulo

06 de junho de 2009 | 00h00

A expectativa da escolha do novo procurador-geral da República pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos próximos dias tem levado os três candidatos ao cargo a buscarem apoio de última hora. O escolhido, no entanto, deve ser mesmo o atual vice-procurador-geral, Roberto Gurgel.Terceira colocada na lista encaminhada ao presidente Lula pelo Ministério Público, a subprocuradora Ela Wiecko é a que mais tem se movimentado em busca de aliados. E se vale, para isso, da possibilidade de ser a primeira mulher a comandar a Procuradoria-Geral da República. Ela Wiecko já contava com o apoio do ministro da Justiça, Tarso Genro. Na última semana, seis senadoras, entre elas a líder do governo no Congresso, Ideli Salvatti (PT-SC), assinaram um manifesto favorável à indicação de uma mulher. A Comissão de Direitos Humanos da Câmara, que também declarou apoio à subprocuradora, encaminhou uma carta ao presidente Lula defendendo sua escolha. "A nomeação de Ela Wiecko, integrante da Subprocuradoria-Geral da República desde 1992, além de premiar sua longa e brilhante trajetória na defesa e promoção dos direitos da cidadania, simbolizaria um avanço bastante significativo na democratização do Estado brasileiro, com a inédita investidura de uma mulher no principal cargo do Ministério Público Federal", diz o documento.Antes da eleição interna no Ministério Público no último dia 21, que definiu a lista de nomes entregue ao presidente, integrantes do governo afirmavam que Lula poderia optar pela indicação de qualquer um dos três nomes votados a depender da diferença de votos. Ela Wiecko levaria vantagem justamente por ser mulher. Porém, a diferença de votos foi expressiva, o que rendeu o favoritismo a Roberto Gurgel. Ele teve 482 votos e deverá ser escolhido como sucessor do atual procurador-geral, Antonio Fernando de Souza. O segundo colocado na lista, o subprocurador Wagner Gonçalves, que teve 429 votos ainda aposta na possibilidade de ser o escolhido. Conversou com ministros importantes e espera que seus argumentos sejam levados em consideração pelo presidente na hora da escolha. Ela Wiecko, que teve apenas 314 votos, não deverá ser a indicada por Lula apesar dos apoios de última hora.O nome do escolhido deve ser encaminhado ao Congresso na próxima semana. O escolhido será sabatinado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado e depois precisa ser aprovado pelo plenário. A posse ocorre no dia 26, último dia do mandato de Souza no cargo.O atual procurador-geral deverá aposentar-se. Ele era cotado para disputar a vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), que seria aberta se a ministra Ellen Gracie vencesse a disputa por uma vaga no Órgão de Apelação da Organização Mundial do Comércio (OMC). Souza deve se dedicar à advocacia, segundo amigos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.