Mulheres negras pedem saída de Cunha em protesto na porta do plenário da Câmara

Para representantes da Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo e a Violência, o parlamentar, que é autor de projeto de lei que dificulta o aborto para vítimas de estupro, representa 'retrocesso'

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2015 | 18h56

BRASÍLIA - Representantes da Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo e a Violência realizaram, na tarde desta terça-feira, 17, protesto em frente à porta principal do plenário da Câmara, pedindo a saída do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do cargo. A manifestação ocorreu após elas serem convidadas a encerrarem sessão especial que debatia sobre o assunto da marcha e deixarem o plenário. "Fora Cunha, Fora Cunha", gritavam as mulheres.

"Ele representa o retrocesso, a violência, o genocídio, a corrupção, a perseguição ao corpo e ao direito das mulheres", afirmou a médica Jurema Werneck, uma das mulheres que participaram do protesto. Ela se referia ao projeto de lei de autoria do presidente da Câmara que dificulta o aborto para mulheres vítimas de estupro. A matéria foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara no fim de outubro.

Mais conteúdo sobre:
Racismo Violência Eduardo Cunha aborto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.