Wilton Júnior|Estadão
Wilton Júnior|Estadão

Mulheres fazem ato a favor de Dilma no Rio

Com cartazes criticando Temer, Cunha e Moro, manifestantes sairão em caminhada pelo centro da cidade até a Praça XV; a presidente afastada marcará presença no evento

Luciana Nunes Leal e Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2016 | 18h10

RIO - Cerca de 200 pessoas se concentram no Largo da Carioca, no centro do Rio, na tarde desta quinta-feira, 2, para o ato "Mulheres Pela Democracia Contra o Golpe". Os manifestantes sairão em caminhada pelo centro até a Praça XV, onde haverá ato público com a presença da presidente afastada Dilma Roussef (PT).

Na concentração para a passeata, um grupo de mulheres fez uma performance simulando a queda do presidente em exercício, Michel Temer (PMDB). Elas também  exibem cartazes contra o presidente afastado da Câmara, deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, e a política de privatizações das estatais.

Estão presentes representantes da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), da Central Única dos Trabalhadores (CUT), braço sindical do PT, e da Frente Brasil Popular, organizadora da manifestação.

Um grupo de funcionários da Petrobrás distribuiu panfletos contra a venda da subsidiária BR Distribuidora e "o desmantelamento do sistema Petrobrás".

A chegada de Dilma ao ato público na praça XV está prevista para as 18h.

Visita e vaias. Antes de participar do evento no centro da cidade, a presidente afastada Dilma Rousseff visitou o governador licenciado do Rio, Luiz Fernando Pezão(PMDB), em seu apartamento no Leblon, zona sul da capital fluminense. 

Por volta das 17h30, Dilma desceu do carro em frente ao prédio onde mora Pezão e entrou no local sem falar com a imprensa. Foram ouvidos vaias e gritos de moradores do bairro, como "Fora Dilma" e "desgraçada".

Pezão está licenciado do cargo desde março para tratamento de um linfoma não-Hodgkin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.