Mulheres dão o tom da política no RN

Mossoró, como a capital, deve decidir eleição entre duas candidatas

O Estadao de S.Paulo

28 de setembro de 2008 | 00h00

Em terra de "cabra-macho", as mulheres estão desbancando os homens na política. Independentemente do resultado da eleição para a Prefeitura de Natal, a governadora Wilma de Faria (PSB) vai dividir o poder com outra mulher.Não é só na capital potiguar que duas candidatas disputam o controle político e administrativo. Em Mossoró, segunda maior cidade do Estado, a disputa é travada entre duas primas, ambas da família Rosado, que dominam a política local. É terra da senadora Rosalba Ciarlini (DEM). Em 2006, depois de comandar três vezes a prefeitura, ela se elegeu senadora e aparece como forte candidata da oposição ao governo do Rio Grande do Norte.As duas candidatas que brigam pelos votos da cidade de Natal - Fátima Bezerra (PT) e Micarla de Sousa (PV) - têm trajetórias diferentes na política e nunca foram aliadas.Fátima Bezerra fez do presidente Lula o seu principal cabo eleitoral. Ela não só conseguiu arrastar o presidente para um comício como ainda montou um desfile de ministros do PMDB e do PT que se revezam em visitas à capital.Com 52 anos, é a quarta vez que ela concorre à prefeitura. Faz questão de dizer que é uma briga ideológica. A diferença é que neste ano ela tem a ajuda dos "poderosos" - os políticos que controlam as máquinas federal, estadual e municipal. Em 2004, mesmo com o apoio de Lula, a petista foi derrotada. No segundo turno, o PT fechou com o PSB da governadora. Antes de 2004, porém, enfrentara na oposição as estruturas dos três níveis de poder da administração pública, contando apenas com a militância do PT. Agora quem resiste aos "poderosos" e aos partidos que têm capilaridade eleitoral é Micarla, deputada estadual pelo PV. Ela é a mais velha das três filhas do ex-senador Carlos Alberto de Sousa, que morreu há dez anos. Dos negócios deixados pelo pai, Micarla herdou uma emissora de TV, controladora do SBT. Tão logo assumiu a presidência da empresa, estudou jornalismo e adquiriu visibilidade como apresentadora em sua própria televisão.Foi o salto para virar celebridade local e um trampolim para ingressar na política. Em 2004, foi vice na chapa vitoriosa do atual prefeito, Carlos Eduardo Alves (PSB). Dois anos depois, os dois brigaram e ela obteve a maior votação para deputada estadual pelo PV na capital.Agora, aos 38 anos, usa a popularidade como principal munição na campanha. Seu principal cabo eleitoral é o senador José Agripino (DEM-RN), um dos maiores adversários de Lula no Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.