Mulheres asiáticas jovens, a maior taxa de suicídio do mundo

Embora as taxas de suicídio em todo o mundo sejam três vezes mais altas para os homens em relação às mulheres, está aumentando a evidência de que, em países em desenvolvimento da Ásia, jovens mulheres matam-se muito mais do que os homens. Num estudo que acaba de ser divulgado pela revista médica The Lancet, pesquisadores traçam o primeiro perfil do suicídio entre pessoas jovens na Índia.Na região de Vellore, no sul, a média da taxa de suicídios para mulheres entre 10 e 20 anos é de 148 para 100.000, muito acima dos 58 suicídios em 100.000 homens. Globalmente, a taxa de suicídio para homens é de 24 para 100.000, enquanto que a de mulheres não passa de 6,8 para 100.000.Especialistas acham que a pesquisa foi baseada em muito poucos suicídios para se ter certeza de que as taxas são válidas, mas acrescentam que o levantamento acaba por mostrar que esse tipo de morte não tem quase registro oficial em países do Terceiro Mundo.?Quase tudo que sabemos sobre suicídios vem dos países ocidentais, particularmente a Europa. Até agora, não examinamos outras culturas?, diz o médico José Bertolote, que dirige a divisão de desordens mentais e cerebrais da Organização Mundial da Saúde e que não está envolvido com a pesquisa. ?Quanto mais examinamos essas culturas, mais percebemos que a diferença entre homens e mulheres não é tão grande quanto na Europa, portanto, existe um elemento cultural nisso?, acredita.A primeira evidência de que as taxas de suicídio são maiores entre jovens mulheres que entre os homens surgiu há dois anos, de um estudo feito na área rural da China. Os pesquisadores encontraram taxas de 30,4 suicídios por 100.000 mulheres, comparada com os 23,8 para 100.000 homens.?Há uma tendência muito maior aqui?, diz Bertolote.Uma das maiores diferenças entre suicídio no Ocidente e nos países em desenvolvimento é o método. É sabido por pesquisas que, no Ocidente, mais mulheres que homens tentam o suicídio, mas poucas conseguem. Normalmente, elas procuram a morte cortando os pulsos ou tomando comprimidos, dois métodos que podem ter socorro imediato.Na Índia rural, os métodos são enforcamento, envenenamento com pesticidas letais, que já foram proibidos na maior parte do mundo, e tocando fogo no próprio corpo. A todos os três é difícil sobreviver.Alguns dos pesticidas, comumente guardados nas casas rurais, matam em menos de três horas. Para mulheres que tentam se matar no campo, não há transporte e, algumas vezes, estradas, e quase sempre é muito tarde quando chegam ao hospital.Há umas poucas teorias sobre porque as jovens asiáticas cometem suicídio em tão grande número.?Pode ser por carência educacional, conflitos em torno de casamentos arranjados, fracassos amorosos, dotes e coisas assim?, diz a Dra. Lakshmi Vijayakumar, que dirige o Centro de Prevenção ao Suicídio Sneha, em Chennai, na região indiana de Madras.Por toda a Índia, os suicídios masculinos começam a igualar o das mulheres quando ambos torna-se mais velhos, acrescenta Vijayakumar, que não participou da pesquisa mais recente. Depois que as mulheres têm filhos, tornam-se emocionalmente e psicologicamente mais fortes e as taxas de suicídio caem, segundo ela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.