Wilson Pedrosa/AE
Wilson Pedrosa/AE

Mulher que invadiu palácio afirma ser 'marido' da presidente Dilma

Segundo a PM, Edmeire Celestino da Silva é uma mulher, não um homem como se acreditava

11 de setembro de 2012 | 20h19

Texto modificado às 21h29

Edmeire Celestino da Silva, que tentou invadir o Palácio do Planalto nesta terça-feira, 11, dizendo ser "marido" da presidente Dilma Rousseff é, na verdade, uma mulher. A informação foi repassada pela Polícia Militar e pelo Hospital Regional da Asa Norte.

Edmeire tem uma página no site de relacionamentos Facebook e ali surgiu a dúvida. Apesar da aparência, da voz e de se dizer "marido" da presidente, na foto do site Edmeire aparece de cabelo curto. Todas as mensagens de sua página falam da  paixão pela presidente. Às vezes, Edmeire se refere a si como homem, outras como mulher.

De acordo com os seguranças, Edmeire andava rondando o Planalto há dois dias, mas não havia feito nenhuma outra tentativa de entrar até esta terça. Sem meias, de camiseta e calça jeans, a mulher repetia que era apaixonada pela presidente, que tinha vindo "chamar a Dilma para casar comigo" e que ela era "seu coração"."Eu ia sequestrar ela (sic) e não ia soltar nunca mais, ela é o meu amor", dizia.

Os bombeiros do batalhão presidencial foram chamados e levaram Edmeire para o Hospital Regional da Asa Norte, próximo ao Planalto. De acordo com a segurança do Palácio, a mulher estava desarmada, não tinha machucado ninguém e parecia apenas perturbado. Por isso não haveria necessidade de prisão.

Tentativas de invasão do Planalto não são incomuns. Apenas na gestão da presidente Dilma Rousseff esta é a sexta tentativa de invasão. Em março deste ano, uma mulher que queria uma casa do programa Minha Casa Minha Vida tentou entrar no Planalto. Ela já havia conseguido chegar até o Salão Nobre em abril do ano passado, levando um filho junto. Em setembro de 2011, um homem armado tentou entrar ameaçando se matar. Em julho do mesmo ano, um homem subiu a rampa de moto e caiu no espelho d'água. Em janeiro do ano passado um homem subiu parte da rampa de carro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.