Mulher morre após cirurgia plástica em BH

A faxineira Maria Aparecida de Oliveira, de 42 anos, morreu nesta quinta-feira, menos de 24 horas depois de ser submetida a uma cirurgia plástica de redução das mamas. Este é o terceiro caso de morte após cirurgias reparadoras ocorrido nos últimos meses na capital mineira. Maria Aparecida foi internada na quarta-feira, às 9h, na clínica Santa Inês, no bairro Floresta, região central da cidade.Segundo o médico Adalberto Pereira, a operação durou cinco horas e a paciente apresentava um quadro clínico estável. A faxineira passou a noite internada na clínica e, de acordo com Pereira, as complicações surgiram ontem pela manhã.Maria Aparecida sentiu falta de ar e teve desmaios. ?Ela desenvolveu uma parada cardíaca e não conseguiu voltar?, disse o médico, afirmando que a clínica prestou o socorro necessário. ?Ao que parece, trata-se de uma morte súbita, talvez uma embolia pulmonar?, arriscou o presidente da regional Minas Gerais da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica,Oromar Moreira Filho, que está participando do congresso anual da classe, em Salvador (BA), e foi indicado pela clínica para prestar informações à imprensa. Familiares informaram que Maria Aparecida pagou R$ 1,4 mil pela cirurgia e também tinha a intenção de realizar uma lipoaspiração. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML), onde será submetido a um exame que vai apontar a causa da morte. Parentes da faxineira pensam em processar a clínica, caso o laudo constate que houve erro médico. Outras mortesNo último domingo, a empresária chilena, naturalizada brasileira, Paulina Érica Gacez Arias, de 44 anos, faleceu no Hospital Semper, região central de Belo Horizonte, onde havia dado entrada no início da manhã. Ela morreu dias após submeter-se a uma lipoaspiração. A administração do hospital apenas confirmou a entrada da paciente no pronto-atendimento, mas não revelou a causa da morte, bem como o nome do médico responsável pela cirurgia e a clínica onde ela foi realizada.Duas semanas depois de se submeter a uma lipoaspiração, no dia 22 de julho, a empresária Elizabeth Farah, 56 anos, morreu vítima de uma infecção generalizada. Ela foi operada na clínica Saint Paul, na zona Sul da capital mineira. Neste caso, a Promotoria de Defesa da Saúde e o Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG) instauraram procedimentos investigativos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.