Mulher atuou pela absolvição

Verônica pediu que perdoassem Renan

O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2015 | 00h00

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e a mulher, Verônica, montaram uma base e, juntos, dispararam telefonemas para senadores e mulheres dos parlamentares às vésperas da sessão de julgamento de sua cassação. Verônica, segundo relato de fontes que presenciaram as ligações, utilizou o mote "de mulher para mulher" e pediu: "Eu que sou a esposa já o perdoei. Ele não merece ser cassado." Renan foi absolvido na quarta-feira da acusação de quebra de decoro por supostamente ter pago suas despesas pessoais - como a pensão alimentícia para a jornalista Mônica Veloso (com quem tem uma filha de 3 anos fora do casamento) - com recursos do lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior.Para disparar os telefonemas, Verônica e Renan contaram com a ajuda de amigos e aliados. A operação teve início no domingo e seguiu até o dia da sessão de julgamento. Na quarta-feira pela manhã, horas antes de chegar ao Congresso, o próprio Renan se encarregou de ligar para senadores, entre eles os de posição mais firme contra ele. Um dos parlamentares confirmou ao Estado que Renan chegou a pedir voto pela abstenção. O peemedebista foi salvo da cassação com 40 votos pela absolvição e 6 abstenções. "Você me conhece. Se não está convencido da minha inocência não vote pela cassação. Vote, ao menos, pela abstenção", teria pedido Renan, segundo relato de um senador.Ontem, Renan deixou Brasília acompanhado de Verônica para um fim de semana longe da crise. Amanhã ele completa 52 anos e parte da comemoração já teria sido organizada por amigos em Alagoas: um almoço na Fazenda Tapado, em Murici.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.