Gustavo Lima/Agência Câmara
Gustavo Lima/Agência Câmara

Mudanças no texto das desonerações não prejudicam ajuste fiscal, diz Picciani

Segundo relator da proposta, a recomposição de receitas para o ano que vem ainda será superior a R$ 10 bilhões, abaixo dos R$ 12,5 bilhões desejados pelo governo

CARLA ARAÚJO, RICARDO DELLA COLETTA, DAIENE CARDOSO, O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2015 | 19h09

Brasília - O relator do projeto de lei que altera a política de desonerações, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), afirmou nesta quinta, 25, que as mudanças no texto-base que foram aprovadas nesta tarde não prejudicam o ajuste fiscal proposto pelo governo. Segundo ele, a recomposição de receitas para o ano que vem ainda será superior a R$ 10 bilhões, abaixo dos R$ 12,5 bilhões desejados pelo governo. "O saldo foi positivo", disse.

Picciani afirmou ainda que a aprovação da emenda que beneficiou o setor de vestuário e acessórios não deve ter um peso muito grande na conta. "Não creio que terá um impacto muito grande, pois são pequenas empresas", disse.

Mais cedo, o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), havia dito que as perdas poderiam ser da ordem de R$ 1,2 bilhão. "Esse valor seria para o setor têxtil como um todo e a emenda trata apenas do setor de confecções", explicou Picciani. "Não tenho como calcular, não era algo previsto", afirmou o peemedebista.

O setor de confecções e acessórios, que hoje paga 1%, pelo texto-base aprovado nessa quarta teria que pagar 2,5%. No entanto, com a emenda aprovada nesta tarde, o setor passará a ter a mesma alíquota do setor calçadista (1,5%).

Após a conclusão da votação, Guimarães reconheceu que a conta deveria ser menor, mas disse não saber o impacto para as contas do governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.