Mudanças dão mais poder a Dirceu, diz cientista política

A divisão detarefas no Palácio do Planalto entre o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, e o líder do governo na Câmara, Aldo Rebelo(PC do B-SP), por conta da reforma ministerial, fortalece ainda mais o petista. A avaliação é da cientista política carioca LúciaHipólito. "Ao contrário do que muitos imaginam, Dirceu não perde espaço. Com a divisão de atribuições entre ele e Rebelo, ficaclaro que o ministro é mesmo o chefe de governo e o presidente Lula o chefe de Estado", comentou . Na avaliação da cientista política, ao dividir as tarefas entre Dirceu e Rebelo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva acabaadmitindo que o funcionamento do governo no primeiro ano de seu mandato andou mal. "Se alguém é superministro, esse alguém é Dirceu", afirmou.A escolha de Aldo Rebelo para ser o ministro da Coordenação Política e Relações Federativas se deu porque o parlamentarmostrou-se eficiente como articulador, avalia. "Aldo revelou-se um excelente articulador político, eficiente emuito habilidoso." Sobre a nomeação do deputado federal Patrus Ananias (PT-MG) como superministro da área social, acientista política comenta que trata-se de uma recomposição do setor do governo. "A área social foi esquartejada para daremprego aos amigos do Lula. Agora, ela será recomposta. A criação do superministério é muito mais uma recomposição do queuma mudança", defendeu.Veja quadro com o que muda no Ministério

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.