Mudança no BC repercute na imprensa internacional

A demissão ontem do diretor de política monetária do Banco Central, Luiz Augusto Candiota, ocupa espaço hoje na imprensa internacional. O jornal The New York Times afirma que Candiota se demitiu em "meio a acusações de evasão fiscal que também se focaram no presidente do banco, Henrique Meirelles".O diário norte-americano afirma que os mercados financeiros brasileiros, que haviam declinado após as acusações serem publicadas pela revista Isto É, receberam bem a renúncia de Candiota e a indicação de Rodrigo Azevedo para o posto."Candiota era um dos membros mais bem conhecidos do comitê de política monetária do BC, que estabelece a taxa de juros básica no Brasil", disse o NYT. "Candiota também era peça importante na política do banco de procurar ativamente reduzir a carga da dívida do governo ligada ao dólar como uma forma de proteger o país contra choques econômicos externos."Financial TimesO jornal Financial Times afirma que Candiota era uma "das peças-chave da política monetária que controlou a inflação e ajudou a estabilizar a economia após Luiz Inácio Lula da Silva ter se tornado presidente em janeiro do ano passado". Segundo o diário britânico, o episódio teve um pequeno impacto nos mercados financeiros. "A maioria dos analistas espera que a política monetária continue na mesma linha de antes", disse o FT.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.