Mudança feita na Câmara não acaba com o imposto

A mudança aprovada pela Câmara não elimina o imposto sindical, apenas torna mais flexível o recolhimento. Se o Senado aprová-la, o trabalhador passará a ter o direito de não permitir o desconto da contribuição no seu contracheque. Se não autorizar, ainda assim terá de pagá-la, mas diretamente ao sindicato, como fazem profissionais liberais. A emenda, do deputado Augusto Carvalho (PPS-DF), altera o artigo 582 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que trata do desconto do imposto na folha de salários das empresas. O artigo 579 da CLT, que estabelece quem contribui e para quê não foi modificado. As centrais resistem à mudança, alegando que vai enfraquecer os trabalhadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.