Mudança climática vai minar combate à pobreza, diz ONU

Documento sobre disenvolvimento relaciona impacto das emissões de carbono à pobreza e miséria no mundo

Daniel Gallas, BBC

27 de novembro de 2007 | 10h10

O Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas (PNUD), divulgado nesta terça-feira em Brasília, afirma que as mudanças climáticas "vão minar os esforços feitos pela comunidade internacional para combater a pobreza".   Veja também: Relatório da ONU pede corte 80% na emissão de CO2 até 2050 Relatório da ONU defende etanol brasileiro Em artigo, Lula defende 'ação nacional para desafio global' IDH mostra que estamos no caminho certo, diz ministro Para especialista, ranking da ONU adota 'rótulos artificiais' A edição deste ano do relatório do PNUD destacou o impacto das mudanças climáticas no desenvolvimento humano e nas Metas do Milênio - conjunto de objetivos comuns estabelecidos por líderes mundiais para ser alcançado até 2015. "As mudanças climáticas estão prejudicando os esforços para se cumprir a promessa das Metas do Milênio", afirma o texto do PNUD. "Olhando para o futuro, o perigo é que as mudanças climáticas irão interromper e depois reverter o progresso construído através de gerações, não só na redução da pobreza, mas em saúde, nutrição, educação e outras áreas." Segundo o PNUD, o fracasso no combate às mudanças climáticas vai diminuir as oportunidades de 2,6 bilhões de pessoas - ou 40% da população mundial. "Cidades como Londres e Los Angeles podem enfrentar enchentes com o aumento do nível do mar (causado pelo aquecimento global), mas seus moradores estão protegidos por sistemas avançados de defesa de enchentes", diz o texto. "Em contraste, quando o aquecimento global mudar os padrões de temperatura no Cabo da África, (isso) significará que colheitas fracassarão e pessoas terão que enfrentar a fome ou que mulheres e jovens passarão mais tempo transportando água." "Sejam quais forem os riscos para as cidades do mundo rico, hoje as verdadeiras vulnerabilidades das mudanças climáticas relacionadas a tempestades e enchentes estão nas comunidades rurais nos deltas dos grandes rios, como o Ganges, o Mekong e o Nilo, e em favelas urbanas espalhadas pelo mundo em desenvolvimento." O relatório afirma ainda que se nada for feito para conter as emissões de gases nocivos ao ambiente, a temperatura média do mundo pode subir 5º C até o fim do século. Se houver ação coordenada, o impacto poderia ser reduzido para 2º C. Os números são parecidos com os apresentados pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU, que trabalha com um aumento de 1,8ºC a 4ºC até 2100. O relatório recomenda que os países do mundo comecem a trabalhar em acordos para substituir o Tratado de Kyoto, sobre emissões de CO2, que expira em 2012. O PNUD é a agência da ONU para promover o desenvolvimento humano. Todo ano, o relatório analisa em profundidade algum tema de desenvolvimento humano, como saneamento, educação ou, como foi neste ano, o impacto do clima. Além disso, o documento traz um ranking mundial que classifica os países em diferentes categorias de desenvolvimento. Neste ano, pela primeira vez, o Brasil aparece entre os países de "alto desenvolvimento humano" no ranking do relatório.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.