Múcio: governo não interferiu na votação da Câmara

O ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, disse que a decisão da Casa de não votar nenhuma matéria até que a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) seja votada no Senado não teve a interferência do governo. Mas reconheceu que a estratégia dos deputados ajuda no esforço de resolver o impasse até o fim da próxima semana."A Câmara sem desfaçatez está contribuindo ao não enviar matérias para o Senado", afirmou o ministro, depois de reunião com líderes da base aliada hoje de manhã. José Múcio disse que espera que a CPMF seja votada no senado na quinta ou sexta-feira da semana que vem, mas deixou claro a incerteza sobre o número de votos em favor da prorrogação da CPMF. Para aprovar a continuidade do imposto o governo precisa de pelo menos 49 votos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.