MST vai devolver carga saqueada

A direção do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Minas divulgou nota, hoje, informando que na segunda-feira irá devolver a carga de alimentos saqueada, quarta-feira, de dois caminhões que passavam próximo ao acampamento da fazenda Esperança do Vale, emMachacalis, Vale do Mucuri. O saque foi feio por um grupo de 50 trabalhadores que, armados, pararam os dois caminhões em uma estrada de terra e obrigaram os motoristas a seguir para o acampamento, onde se apropriaram da carga de sete toneladas de arroz, feijão, açúcar e óleo, entre outros produtos.Segundo o MST, a ação foi motivada pela fome das cerca de 250 famílias da fazenda, que desde abril estariam sem receber alimentos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. A decisão de devolver a carga, ou o que restou dela - a entidade não informou quanto dos alimentos já haviam sido consumidos -, às empresas Atacadista Martins e Amapá Comércio de Cereais, responsáveis pelos produtos, foi tomada após o governo estadual ter prometido liberar cestas básicas para o acampamento. "Os acampados decidiram devolver a alimentação após o Instituto da Terra de Minas Gerais (Iter, órgão criado pelo governador Itamar Franco) se comprometer a entregar 200 cestas básicas ao acampamento, na segunda-feira", informou o MST estadual. No dia do saque, os motoristas dos caminhões, Antônio Pereira dos Santos, de 50 anos, e Cláudio Tavares Soares, de 32, registraram queixa na Delegacia de Machacalis, mas a PM local não foi ao acampamento para tentar reaver a carga roubada, alegando não ter recebido ordem do comando da corporação.O MST aconselhou as transportadoras a processar o Incra pelo saque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.