MST/Divulgação
MST/Divulgação

MST vai às periferias arregimentar militantes contra 'golpe'

Objetivo é reforçar os quadros para enfrentar a 'direita golpista', como é chamado o possível governo do vice-presidente Michel Temer; primeiro ato será uma paralisação prevista para o dia 10

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2016 | 19h12

SOROCABA - Com a perspectiva do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), o Movimento dos Sem-Terra (MST) retomou a arregimentação de pessoal nas periferias para engrossar suas bases no campo. O objetivo é reforçar os quadros para enfrentar a “direita golpista”, como é chamado o possível governo do vice-presidente Michel Temer (PMDB). Num primeiro momento, o MST vai participar com centrais sindicais e outros movimentos populares da paralisação prevista para o dia 10, véspera da votação do impeachment no Senado.

Líderes do MST consideram que os 13 anos de governo do PT deixaram a militância “enferrujada”, além de terem contribuído, com programas sociais como o Bolsa-Família, para esvaziar os acampamentos em todo o País. De acordo com o dirigente nacional Gilmar Mauro, o movimento se prepara para “novas batalhas” em caso de vitória do impeachment. “Não vamos aceitar um governo sem legitimidade. À medida que a classe trabalhadora se der conta de qual é o projeto do possível governo Temer, a tendência é o processo de mobilização aumentar cada vez mais”, afirmou.

Em vários Estados os acampamentos começaram a ser reforçados. Na manhã do domingo, 1, um comboio de caminhões e carros ocupou longa faixa do acostamento da BR 261, entre Campo Grande e Terenos, em Mato Grosso do Sul, desembarcando dezenas de famílias recrutadas na periferia da capital. Os recém-chegados engrossaram o Assentamento Olga Benário. No mesmo dia, integrantes do movimento instalaram um novo acampamento às margens da BR-163, entre Naviraí e Itaquiraí, no sul do Estado. Os barracos foram erguidos numa área invadida pelos militantes.

Na segunda feira, 2, no Pontal do Paranapanema, oeste do Estado de São Paulo, integrantes do MST invadiram as fazendas Nazaré, em Marabá Paulista, e Santa Cruz, em Mirante do Paranapanema. Parte dos grupos que ergueram barracos nas áreas ocupadas era composta por desempregados e moradores de rua recrutados nas periferias de Presidente Prudente e Presidente Venceslau. Sob um extenso barraco de lona, os novatos ouviram dos coordenadores uma exposição sobre o atual momento político, com a “sabotagem” do governo Dilma e a “direita assumindo com Temer” para acabar com as conquistas sociais. “Nós vamos dar trégua a eles? Não, nós vamos lutar, marchar, ocupar!”, apregoavam.

De acordo com Márcio Barreto, da direção estadual, além da mobilização pela reforma agrária, o movimento faz um trabalho de conscientização política. “Mostramos o que foi o governo Fernando Henrique (Cardoso) e o que fez o governo Lula para os movimentos sociais”, disse, acrescentando que, no primeiro, houve preocupação em investigar os movimentos, enquanto se “encobria” a corrupção. Segundo Barreto, o MST tem mil famílias acampadas no Pontal, “mas o número de famílias aptas a se cadastrarem no programa de reforma agrária é muito maior”.

A crise política levou o MST a buscar uma reaproximação com grupos dissidentes, como o Movimento Social de Luta (MSL), que atua principalmente em Goiás, no entorno do Distrito Federal e na região de Bauru, interior de São Paulo. De acordo com o líder do MSL, Luciano de Lima, o risco da "volta da direita" ao poder está unindo os movimentos. “Fomos procurados pelo pessoal do MST e estamos juntos na luta contra o golpe.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.