MST trabalha para eleger 10 prefeitos do PT no Pontal, diz Rainha

O líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), José Rainha, disse que não vai aliviar o acelerador das invasões até as eleições municipais. "Nossa estratégia continua", disse, informando que o movimento apoiará os candidatos do PT. "Acho que o PT vai se sair bem nas eleições, mas precisa recuperar o tempo perdido e mostrar o que o governo está fazendo, pois o povo ainda tem muita esperança e gosta do Lula", comentou, referindo-se ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele disse que o MST está trabalhando para a eleição de pelo menos dez prefeitos na região do Pontal do Paranapanema (SP). Participando de palestras e eventos do MST em Salvador, Rainha criticou a área de Comunicação do governo do presidente Lula que não propagandeia os programas sociais do Planalto e atacou também "os burocratas" que estão emperrando a reforma agrária, evitando que os recursos liberados cheguem até os assentamentos. "O Lula tem (no governo) pessoas que são seus puxa-sacos só para fazer elogios, alguns amigos que criticam, os inimigos que o combatem e os companheiros como eu, que precisam levar propostas", disse, contando que pretende, no primeiro encontro com "o companheiro Lula", que pode ocorrer segunda-feira em Salvador, aconselhar o presidente a melhorar a comunicação do governo. Rainha esteve nos últimos dias visitando vários municípios interioranos do Nordeste. Ele voltou a defender as ocupações de grandes projetos agrícolas como as fazendas de eucalipto para produção de celulose na Bahia. "O erro do agronegócio é abocanhar grandes volumes de recursos públicos e não utilizar parte para produção de alimentos: Não somos ignorantes, é claro que a celulose é necessária, mas é preciso aproveitar áreas improdutivas para a reforma agrária, pois há terras suficientes para todo mundo, o que é inaceitável é que entre um pé de eucalipto e uma criança passando fome".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.