MST tenta na segunda libertação de invasores da Cutrale

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) adiou para segunda-feira o pedido de habeas-corpus ao Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo na tentativa de libertar os militantes acusados de depredar uma fazenda de laranjas da Cutrale em Borebi, no interior do Estado, em outubro do ano passado.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agencia Estado

05 de fevereiro de 2010 | 20h02

Os sete acusados tiveram a prisão preventiva decretada ontem pela juíza Ana Lúcia Aiello Garcia, da 1ª Vara Criminal de Lençóis Paulista. Entre os militantes que permanecem presos estão o ex-prefeito de Iaras, Edilson Granjeiro Xavier (PT), a vereadora Rosemeire de Almeida Serpa (PT), da mesma cidade, e o marido dela, Miguel da Luz Serpa, um dos coordenadores estaduais do MST. A prisão preventiva foi estendida a outros 13 acusados que estão foragidos.

De acordo com o advogado Nílcio Costa, da Rede Nacional de Advogados Populares, só hoje ele teve acesso à decisão da juíza, o que atrasou a preparação do habeas-corpus.

Tudo o que sabemos sobre:
MSTprisãomilitantesCutrale

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.