MST tenta incendiar fazenda e aumenta tensão no Pontal

Integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) são acusados de tentar pôr fogo na fazenda Nazaré, em Marabá Paulista, no Pontal do Paranapanema, agravando o clima de tensão existente na região. A fazenda pertence a familiares do prefeito de Presidente Prudente, Agripino Lima (PTB), e sofreu uma tentativa de invasão na semana passada, mas os sem-terra foram rechaçados por seguranças. O grupo, com 300 militantes, está acampado numa propriedade vizinha. Segundo o genro do prefeito, Paulo Arruda, que administra a fazenda, domingo à noite os militantes lançaram um coquetel molotov numa área com pastagem ressequida. Os 40 empregados conseguiram evitar que as chamas se alastrassem e pusessem em risco o gado e a casa sede. Cerca de 8 mil animais estão na propriedade. Restos do artefato foram recolhidos e entregues à Polícia Civil. A líder dos sem-terra, Cecília Rodrigues, negou a tentativa de incêndio. Segundo ela, a fazenda mantém uma milícia fortemente armada, mas o movimento continuará pressionando para que as terras sejam transformadas em assentamento. A fazenda, com 5,2 mil hectares, é objeto de uma ação discriminatória pelo Estado, que alega serem terras devolutas. O presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antonio Nabhan Garcia, enviou ontem ofício ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) pedindo o envio de tropas para a região. Segundo ele, além da fazenda Nazaré, o MST ameaça invadir a Santa Irene, em Sandovalina. "Eles já reuniram uns mil militantes no assentamento Bom Pastor e estão dizendo que vão atacar a qualquer momento." Garcia alerta para o risco de um conflito. Segundo ele, na semana passada o líder dos sem-terra, José Rainha Júnior, fez um discurso inflamado aos militantes, e falou em derramamento de sangue. "Está sendo montado o cenário para uma tragédia." O ruralista oficiou também aos secretários estaduais Alexandre Moraes, da Justiça, e Saulo de Castro Abreu Filho, da Segurança Pública, expondo a situação. Este ano, ocorreram mais conflitos com violência na região que em todo o ano passado. Segundo levantamento da Comissão Pastoral da Terra (CPT) sobre os conflitos no campo, em 2003 houve apenas um caso de ameaça de morte no Pontal, tendo como vítima o líder José Rainha Júnior. Este ano, ocorreram 7 tentativas de homicídio envolvendo militantes do Movimento dos Agricultores Sem-Terra (Mast), feridos à bala em uma invasão, e dois casos de tiroteios, um deles na semana passada, durante a desocupação da fazenda São Domingos, em Sandovalina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.