MST tem cinco dias para desocupar fazenda

A juíza Simone Brum Pias, da comarca de Augusto Pestana, concedeu liminar de reintegração de posse aos proprietários da Granja Saúde, no município de Jóia, a 440 quilômetros de Porto Alegre, e estabeleceu prazo de cinco dias para que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-terra (MST) deixe a área invadida na próxima segunda-feira. Simone também determinou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) informe à Justiça em que situação está a negociação para aquisição da propriedade rural.A fazenda de 1,1 mil hectares é administrada por Ruben Ilgenfritz da Silva, herdeiro da área com mais dois irmãos e uma sobrinha do ex-presidente do Incra de junho de 1986 a julho de 1987. A família ofertou a terra para o governo federal assentar 85 famílias, convicta de que as instalações da Granja Saúde, adequadas à produção de soja, trigo, milho e leite, podem servir a um projeto bem-sucedido de reforma agrária.Ilgenfritz considera o assentamento um processo de libertação, mas, ao mesmo tempo, se diz surpreso pela ação dos sem-terra, que poderiam esperar uma definição que está nas mãos do governo federal sem entrar na área. Os 320 invasores sabem que a fazenda será comprada pelo Incra, mas explicam a invasão como um ato para apressar o negócio, que, segundo eles, tramita muito lentamente em Brasília.Os proprietários deixaram de plantar trigo neste inverno e não estão preparando o terreno para o cultivo da soja, à espera do pagamento. Mas resolveram pedir a reintegração de posse para preservar seus direitos e até mesmo retomar a produção se o governo não confirmar a aquisição até outubro, época do plantio da soja.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.