MST se mobiliza contra prisão de Amorim

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-terra (MST) se prepara, em Pernambuco, para ir às ruas contra o Poder Judiciário estadual. "Cansamos de esperar, a militância está preparada para atos em frente ao consulado dos Estados Unidos, no Recife, e a órgãos do Poder Judiciário", afirmou nesta quarta-feira o dirigente estadual do movimento, Alexandre Conceição, sobre o segundo pedido de prisão preventiva do coordenador nacional do MST, Jaime Amorim.Alexandre Conceição espera que o ministro do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), Nilson Naves, conceda habeas corpus, pela terceira vez, ao líder sem-terra. "Naves vai desmoralizar o juiz pela terceira vez", acredita. "Mas seja qual for a decisão, favorável ou não, vamos nos mobilizar", garantiu o dirigente. "A sociedade precisa saber que há um processo de criminalização do MST pelo Judiciário e uma perseguição política desse juiz com relação a Jaime".Jaime Amorim responde a processo, acusado de dano ao patrimônio público e formação de quadrilha, por ter liderado, no dia cinco de novembro do ano passado, protesto contra o governo norte-americano, defronte ao consulado dos Estados Unidos, no Recife, quando houve dano ao prédio. Teve prisão preventiva decretada, mas o STJ concedeu habeas corpus. A preventiva voltou a valer e ele passou uma semana preso em agosto. Liberado por decisão do STJ, não compareceu a audiência marcada para 12 de setembro e o juiz decretou novamente sua prisão preventiva. Nesta quarta, ele faltou a uma outra audiência. "Ele não compareceu porque a tática do juiz Lafayette é de prendê-lo na audiência", explicou Conceição, ao criticar o juiz: "Ele tem se comportado como funcionário do consulado dos Estados Unidos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.